De Autocaravana, tenho vindo a viajar ''cá dentro'' e pela Europa... para lá do Círculo Polar Àrtico - até ao Cabo Norte, onde vivenciei o ''Sol da Meia-Noite''.
Viajei em Autocaravana pelo Norte de Àfrica... (mais de uma vez), muito para lá do Trópico de Cancer... até à Guiné-Bissau.
Fui também por estrada à Àsia - Turquia e Capadócia, sendo que no regresso fiz a Croácia e dei um saltinho a Mostar e Saraevo na Bósnia-Herzegovina.
Sem pretensiosismo literário ou outros, apenas pela PARTILHA, dessas e outras viagens vou dando conta neste espaço.

Países visitados em Autocaravana: - EUROPA: ESPANHA – ANDORRA -FRANÇA-ITÁLIA-MÓNACO- REINO UNIDO - IRLANDA -HUNGRIA-REP.CHECA-SUÉCIA-ESLOVÉNIA - ESLOVÁQUIA- POLÓNIA-AUSTRIA-SUIÇA-ALEMANHA-BÉLGICA-HOLANDA-DINAMARCA-NORUEGA-FINLÂNDIA-ESTÓNIA-LETÓNIA-LITUÂNIA-BULGARIA - BÓSNIA HERZGOVINA- ROMÉNIA -GRÉCIA – CROÁCIA – LIENCHSTEIN – LUXEMBURGO – S.MARINO - VATICANO ÀSIA : -TURQUIA-CAPADÓCIA ÀFRICA: GUINÉ-BISSAU – CASAMANÇA – GÂMBIA – SENEGAL – MAURITÂNIA – SAHARA - MARROCOS

Outras viagens:RÚSSIA (Moscovo e S. Petesburgo) -AMÉRICA do NORTE:CANADÁ (Quebec-Ontário-Montreal-Otawa-Niagara falls) - EUA(Boston-Nova Iorque-Cap Kenedy-Orlando - Miami)AMÉRICA CENTRAL:CUBA (Havana - S. Tiago de Cuba - Trinidad - Cienfuegos - Varadero)- ÀSIA :CHINA (Macau-Hong Kong) - VIETNAM(Hanói-Danang-Ho Chi Min) -

terça-feira, março 27, 2012

Viva o Douro Internacional ( Dia 6 )

A AS para AC que achei mais calma e interessante - ALMEIDA
Dia 6 – 26.MAR.12 – 2ª. Feira
ALMEIDA – PINHEL – CASTELO RODRIGO – FIGUEIRA DE CASTELO RODRIGO – FREIXO DE ESPADA À CINTA
O sossego noturno permitiu o espertar quando o sol começou a aquecer o habitáculo eram umas dez da manhã.
Havia de aproveitar o magnífico local para as tarefas de descargas e reabastecimento.
Almeida
No retomar da viagem, uma pequena inversão de percurso para a visita a PINHEL.
Pinhel
A indispensável subida ao castelo e uma olhada ao bonito Pelourinho. 

Pinhel

Situada numa zona de extrema beleza natural, na região do Rio Côa e seus afluentes, a norte da cadeia montanhosa da Serra da Estrela, rodeada pela Serra da Marofa, a cidade sede de concelho de Pinhel vê no seu nome a influência da grande quantidade de Pinheiros da região. 
Desde cedo que Pinhel, dada a sua proximidade com a fronteira Espanhola, marcou a sua importância estratégica defensiva, tendo mesmo o Rei D. Dinis, em inícios do século XIV, transformando-a numa imponente cidadela. De facto, durante o período medieval, surgiram por todo o concelho de Pinhel um conjunto de locais fortificados, de que se destacava o castelo de Pinhel, considerados pontos avançados de um sistema de fortificações mais amplo que incluía os castelos das povoações de Trancoso, Marialva, Guarda, Castelo Rodrigo, Almeida e Castelo Mendo.

O cão, e os gatos...
Assim, o Castelo de Pinhel encima a lista do património que importa conhecer, a par da Gótica Igreja de Santa Maria do Castelo (século XIV), da Igreja da Misericórdia (século XVI) em estilo Manuelino, a Igreja e Convento de São Luís (século XVI) ou o Convento de Santo António. Destacam-se igualmente outros monumentos, como o antigo Paço Episcopal, um elegante edifício pombalino do século XVIII, ou o Solar dos Távoras (em Soupires).
Pinhel possui vários espaços verdes, destacando-se o Parque da Trincheira, a Praça Sacadura Cabral e o Largo D. Cristóvão de Almeida Soares. 
Como às 2ªs. Feiras os Museus estão encerrados, constatamos que o edifício do Turismo acompanhou a tendência.

A Gastronomia tem igualmente grande peso na região, destacando-se os típicos enchidos de Pala, entre outros enchidos (morcela, bucho, chouriço assado), o cabrito assado, o cozido à portuguesa, bacalhau cozido e coelho à caçador. Tudo regado com o bom vinho da região. Tive de passar ao lado para respeitar o ''regime'' a que me submeti.


O Pelourinho de Pinhel
No casco histórico, como já vai sendo comum a outras terras, há sempre quem não contribua para o restauro dos prédios de acordo com a tradição pelo que vamos ficando chocados com a proliferação de alumínios e as plásticas persianas… uma pena...


O Centro de Emprego...
Prosseguindo, apontamos para o alto de CASTELO RODRIGO. 
É claro que com todo o Património encerrado o interesse da visita foi relativizado. 



Lá no alto descobrimos um espaço restaurado com gosto… era um Café-Bar propriedade dum Francês de 73 anos que provocado por mim quando lhe perguntei se tinham café, me respondeu que sim e que também tinha ‘’bagaço’’… sorri… e como ele fumava… atirei-lhe em Francês de que ele era um grande ‘’pecador’’… bebia ‘’bagaço’’ e fumava que nem um desalmado… riu e respondeu-me que fumava desde os nove anos e que gozava de boa saúde, por isso essa do ‘’pecado’’ seria uma invenção!...

A Junta de Freguesia lá no alto colocou antena que permite que na povoação quem quer que seja tenha acesso à Net por wireless.
Castelo Rodrigo - Aldeia Histórica
Património, Tradição e Cultura | Aldeias e Vilas Históricas
Figueira de Castelo Rodrigo lá em baixo
Aldeia medieval, erguida no topo de uma colina isolada, a 820 metros de altitude, oferece uma esplêndida vista sobre os campos e serras em redor. Esta antiga vila fortificada, totalmente recuperada no âmbito do Programa de Recuperação de Aldeias Históricas, guarda vestígios de ocupação humana que remontam ao Paleolítico. Ainda que a sede do município tenha passado para Figueira de Castelo Rodrigo, a povoação continua a apresentar sobejos motivos de interesse, tais como a igreja matriz, fundada pelos frades hospitalários em 1192 e dedicada a Nossa Senhora do Rocamador; a cisterna, servida por duas portas, uma gótica e outra mourisca; o pelourinho e o relógio instalado sobre um antigo torreão. Já as ruínas do castelo revelam a raiva da população quando, no final do reinado de Filipe II, incendiou o antigo palácio de Cristóvão de Moura, um dos defensores da legitimidade espanhola por terras lusas.
lá em baixo... a moradia itinerante
Descida curta até FIGUEIRA DE CASTELO RODRIGO, que passamos sem paragem pelos motivos já 
referidos.


Igreja de Escalhão
O percurso até FREIXO DE ESPADA À CINTA, fez-se por estrada sinuosa mas de rara beleza, sobretudo após BARCA D’ALVA. 
O que resta da Estação da CP de Barca D'Alva... destruição!

O Rio Douro em Barca D'Alva


Alto da Sapinha

Salto de Saucelle - Barragem Espanhola

O Douro Internacional 
No Freixo visitamos o novo espaço para apoio dos autocaravanistas onde aproveitamos para a lavagem da AC. 

Dispõe de água, despejos, estacionamento com eletricidade (basta pedir ao guarda para ligar).
O local é enorme, algo isolado, mas sem risco, mesmo assim, optamos após a utilização da AS regressarmos ao centro da urbe onde pernoitamos.
AS para AC – Gps: N 41º 05´ 20.4’’ / w 006º 49’ 00.4’’
Percorridos: 677 Km
Enviar um comentário