De Autocaravana, tenho vindo a viajar ''cá dentro'' e pela Europa... para lá do Círculo Polar Àrtico - até ao Cabo Norte, onde vivenciei o ''Sol da Meia-Noite''.
Viajei em Autocaravana pelo Norte de Àfrica... (mais de uma vez), muito para lá do Trópico de Cancer... até à Guiné-Bissau.
Fui também por estrada à Àsia - Turquia e Capadócia, sendo que no regresso fiz a Croácia e dei um saltinho a Mostar e Saraevo na Bósnia-Herzegovina.
Sem pretensiosismo literário ou outros, apenas pela PARTILHA, dessas e outras viagens vou dando conta neste espaço.

Países visitados em Autocaravana: - EUROPA: ESPANHA – ANDORRA -FRANÇA-ITÁLIA-MÓNACO- REINO UNIDO - IRLANDA -HUNGRIA-REP.CHECA-SUÉCIA-ESLOVÉNIA - ESLOVÁQUIA- POLÓNIA-AUSTRIA-SUIÇA-ALEMANHA-BÉLGICA-HOLANDA-DINAMARCA-NORUEGA-FINLÂNDIA-ESTÓNIA-LETÓNIA-LITUÂNIA-BULGARIA - BÓSNIA HERZGOVINA- ROMÉNIA -GRÉCIA – CROÁCIA – LIENCHSTEIN – LUXEMBURGO – S.MARINO - VATICANO ÀSIA : -TURQUIA-CAPADÓCIA ÀFRICA: GUINÉ-BISSAU – CASAMANÇA – GÂMBIA – SENEGAL – MAURITÂNIA – SAHARA - MARROCOS

Outras viagens:RÚSSIA (Moscovo e S. Petesburgo) -AMÉRICA do NORTE:CANADÁ (Quebec-Ontário-Montreal-Otawa-Niagara falls) - EUA(Boston-Nova Iorque-Cap Kenedy-Orlando - Miami)AMÉRICA CENTRAL:CUBA (Havana - S. Tiago de Cuba - Trinidad - Cienfuegos - Varadero)- ÀSIA :CHINA (Macau-Hong Kong) - VIETNAM(Hanói-Danang-Ho Chi Min) -

terça-feira, abril 12, 2011

A caminho da Andaluzia 32 a 38

A quietude alentejana, apenas entrecortada por um ou outro chilrear de um ou outro pássaro...
Dia 32 - 3ABR11 - Domingo

VILA REAL ST ANTÓNIO – ALCOUTIM – MÉRTOLA – MINAS DE S. DOMINGOS
ao repassar Castro Marim


Até ao meio dia o céu cinza começou a deixar cair uma chuva miúda.
A flora na primavera no percurso Algarve interior e Alentejo...
Avançamos em direcção a Alcoutim. 




Breve visita à simpática localidade sobranceira ao Guadiana. 
Espanha vizinha de Alcoutim.


Os Guardas Fiscais... 
Alcoutim

Antes de seguirmos viagem, passamos na nova área de serviço e local para pernoita, um pouco acima na saída para norte.
AS para AC de Alcoutim
Toda a paisagem quer a parte algarvia, quer já na zona alentejana, apresenta uma diversidade de cores que vai do branco dos inúmeros arbustos de flor silvestre, ao verde claro e escuro, amarelo e roxo… de uma beleza indescritível, esta parte do Parque Natural do Vale do Guadiana que se inicia um pouco acima de Alcoutim até próximo de Serpa.


A visita chuvosa à não menos bonita cidade de Mértola.




Paragem para almoço no Restaurante ‘’Migas’’. Havíamos estacionado no grande largo defronte do quartel dos bombeiros, mas… para as AC existe um parque de estacionamento já na margem do rio que para quem quiser passar a noite no local, sentir-se-á num Hotel fronteiro a rara beleza fluvial.
Mértola











Junto ao Rio Guadiana... o Parque utilizado pelos passantes de AC.


O Largo defronte dos Bombeiros... para visitar Mértola.

Prosseguimos até às Minas de S. Domingos, na intenção de ir ficar a Serpa, contudo, as dezenas de AC estacionadas nas imediações do complexo mineiro, seduziram-nos  o local escolhido, um belo parque de lazer com o lago de águas límpidas onde existe uma boa praia fluvial… Melhor hotel que este?
As cores primaveris como cenário
A visita às Minas... 
A piscina fluvial

Não é bonito o local???
E a flora?
A igreja do complexo mineiro.

A visita ao ‘’Museu’’ das minas onde relemos toda a sua história, fez-se logo após a chegada, já com o tempo menos sombrio mas com um frio pouco apetecível.


Mergulhamos no silêncio entrecortado por um ou outro tímido chilrear de aves.
O local de pernoita... uma quietude impressionante

Cenário de beleza inesquecível que recomendamos a quem aprecie o autrocaravanismo itinerante.
Um local digno de visita dos AC
Às nove da manhã quebra o silêncio e quietude do local a busina da carrinha do padeiro que nos visita.
Percorridos: 3.196 Km Dia 98 Km
GPS: N 37º 40’ 18.5’’   /   W 7º 30’ 16.1’’


As Andorinhas... aterram mesmo nos candeeiros... com o ''ar quente'' primaveril em Monsaraz
Dia 33 – 4.ABR.11 – 2ª. Feira
MINA DE S. DOMINGOS – SERPA – PIAS – MOURA – ALDEIA DA LUZ – MOURÃO – MONSARAZ
Há uns 5 anos que não parava por estas terras. Nesta altura do ano o Alentejo é mais lindo ainda com o seu ar primaveril..
Amarelos e verdes maravilhosos
Olivais... ordenados
Paragem em SERPA para relembrar outras passagens. 

Chaminé de Serpa
Manhã fresca mas estoicamente percorri o centro histórico em sandálias, calção e camisa de manga arregaçada… 
Serpa igreja 1
Serpa - detalhe igreja 2
Serpa - detalhe entrada igreja 3
Serpa - Chafariz - Fontanário
Serpa - passagem para o Castelo

Serpa
O sol entretanto começou a aquecer ao chegar ao meio-dia. A vontade para confeccionar o almoço era pouca ou nenhuma…

Serpa - jardim

Do ''coreto'' , saía música clássica que ainda tornava o jardim mais agradável

Do jardim avista-se o casario e os campos alentejanos

No verão... a piscina substitui o mar...
Serpa
Serpa
O pressentimento dizia-nos que ainda era cedo para tal pelo que percorremos a dúzia de kilómetros até PIAS.

O adro da igreja... de PIAS
Terra pequena, sem ter muito a ver acrescendo o facto do calor começar a apertar.

O auto-retrato... com a convicção de que o almoço surgiria ''a contento''...
O único restaurante que surgiu na travessia… estava encerrado… não desanimamos… questionamos gente da terra que nos disse para virar aqui e ali e estacionar no largo da igreja.
O ânimo era tal que até fizemos uma foto à porta antes de entrar.

''Torresmos'' e outras iguarias como ''entradas''...
Hoje terei de ficar com fotos dos acepipes gastronómicos deglutidos em primeiro lugar com o olhar e o olfato… depois… um ver se te avias… ai minha nossa…

Tudo... só para mim...

A ''sericaia''...
Terei de voltar… o dito cujo, chama-se ‘’O ADRO’’ de João e João, com melhor aspeto no interior que visto da rua… meia dose… sobra… entradas várias… numa imensa ementa, escolhi ‘’favas’’… 

A ''sopa de peixe'' do Artur...

as outras sobremesas...
o Artur… ‘’Sopa de Peixe’’ e a consorte… ‘’cabeça de borrego’’… só não fiz a foto do borrego por conter batata frita… de sobremesa, pedi… ‘’Sericaia’’… quem mais quiser saber… passe por lá…

Apenas as cegonhas escaparam ao ataque ''das beatas''... hajadeus...
Ao voltar ao adro da igreja, nem queria acreditar… as ‘’servas de maria’’… ‘’beatas’’… munidas de varapaus… destruíram dezenas de ninhos de andorinhas que chilreavam em desespero de ver os seus ninhos e os seus ovos destruídos… não me contive… jurei mesmo que tudo faria para que fossem parar ao inferno!!!...








Rumamos a Moura para nova paragem.






O Alqueva... aqui ao lado


Pelo caminho um desvio à ‘’Nova’’ ALDEIA DA LUZ, para as habituais rotinas de descarregar águas e abastecer na AS para AC a funcionar desde 2008. Um bom local para pernoitar com o Alqueva ao pé.
Uma aldeia soterrada pela barragem do Alqueva... reconstruida...

AS para AC da Aldeia da LUZ
Em MOURÃO, a visita imperdível com subida ao castelo de onde se avista MONSARAZ, para onde seguimos.






Mourão
Um Parque para AC, lá no alto… repleto. 

Parque para AC em Monsaraz


Monsaraz




Um périplo pelo interior das muralhas e o descanso apetecido numa esplanada sobranceira à verde planície com música clássica melodiosa a soar nos nossos ouvidos… a ‘’imperial’’ muito bem acompanhada com toda aquela acalmia e um dia inolvidável.




O bar... com um ''puff''... para quem goste...

Ora aqui está a equipe...








O alentejano com o seu ''fiel amigo''

uma viela em Monsaraz...
Percorridos: 3.325 Km Dia 129 Km
GPS : N 38º 26’ 32.2’’   /   W 7º 22’ 49.4’’
Tinha de registar a passagem naquele que é o cartão de visita de ÉVORA! o ''Templo de Diana''
Dia 34 – 5.ABR.11 – 3ª. Feira
MONSARAZ – REGUENGOS DE MONSARAZ – ÉVORA – CORUCHE
Neste regresso, o dia mais quente. Reguengos foi cruzada sem paragem.
Reguengos
A visita imprescindível à mais que conhecida cidade Património Mundial - ÉVORA. Claro que voltamos a circundar o ‘’Templo de Diana’’.
A Praça do Giraldo
Não era nossa intenção pernoitar mesmo se ainda é possível estacionar no enorme espaço térreo que dista uns 600 mts do Centro Histórico ( GPS N38º33’59.5’’ / W 7º54’30.8’’).
Sempre bela... sempre igual.
Há imensos anos que de tempos a tempos passeamos pela cidade. Impressionante verificar que os veículos automóveis continuam a circular pelo centro histórico, Praça do Giraldo incluída. 
Para além deste registo negativo, um outro que nos ‘’chocou’’… muitas placas indicativas de hotéis e pensões, mas de monumentos… nada… nem o Templo de Diana está assinalado… desta vez para lá chegarmos mais rápido, houve que questionar os simpatiquíssimos locais.
Templo de Diana
A Sé... com entrada paga... Pagar até para quem reza...
Sé de Évora
Um beco florido
Seguimos pela EN em direção a Montemor-o-Novo onde também não paramos.
A margem do Sorraia e... a ''nossa'' esplanada...
Deixamos a Região Alentejana à qual voltaremos dentro de um mês e iniciamos a travessia do Ribatejo, parando para pernoita no renovado espaço contíguo ao Rio Sorraia e à Praça de Touros na Vila de CORUCHE, onde assistimos às lides características da região… as lides de cavalos.
Uma manada de ''chavalos''... havia que ''caçar/prender'' o pai dos ''chavalitos''...
O ''garanhão'' da esquerda... foi emprestado para fazer ''chavalitos'' à ''chavala''... e depois para o apanhar? Difícilimo... o  tipo queria era estar ao pé da ''chavala'' em liberdade...
Nada fácil ''acalmar'' a ''chavala grávida''...
A méteo registou nesta região a temperatura mais quente da primavera – 29ºC… ufff.
GPS: N 38º57’29.6’’ / W 8º31’20.5’’
O nosso hotel rolante... em CORUCHE
Percorridos: 3.459 Km Dia 134 Km

AS da Batalha
Dia 35 – 6.ABR.11 – 4ª. Feira
CORUCHE – ALMEIRIM – SANTARÉM – TREMÊS – ALCANEDE – PORTO DE MÓS – BATALHA – LEIRIA – GUIA – FIGUEIRA DA FOZ
De Coruche a Almeirim, faz-se num ‘’ápice’’. Aproveitamos para abastecer de carburante já que a distância de preços ‘’em tempo de crise’’ justificam a opção por gasóleo a € 1,255 no Pingo Doce comparativamente com os € 1,44 da Galp… é fartar vilanagem… ‘’o Povo é que paga’’!
O Ribatejo sempre verde...
Em Almeirim, mesmo ao lado da Praça de Toiros os Restaurantes ‘’vendem’’ a apreciada e suculenta ‘’Sopa de Pedra’’… bastou para o almoço.
Atravessamos o Rio Tejo próximo da cidade de Santarém.
A decisão assumida de ‘’fugir’’ quer às Autoestradas e ou Estradas Nacionais de muito tráfego, levou-nos por um ‘’corte’’ da Serra dos Candeeiros que por uma estrada de bom piso e pouco trânsito nos levou de Santarém até Porto de Mós. Uma ótima alternativa por entre campinhos ou encostas onde a indústria extrativa vai sacando à terra matéria prima.
De Évora até à Batalha, por EN... despidas de viaturas... 
À passagem de Alcanede olhamos o castelo mas não o visitamos, o mesmo acontecendo no fora do comum castelo de Porto de Mós.
ALCANEDE
Na Batalha, nem olhamos o nosso ‘’ex-libris’’ – O Mosteiro da Batalha – tantas vezes visitado, mas, obviamente aproveitamos para graciosamente fruir da área de serviço contígua onde fizemos a ‘’netoyage’’ e atestamos de água potável para os agradáveis duches de viagem.
Registamos com agrado a recente remodulação do parque de lazer vizinho da área de serviço.
A opção de regresso, após a passagem da cidade de Leiria, foi no redirecionamento para o litoral para procurar a brisa do atlântico atenuando a anormal ‘’canícola’’ primaveril.
Desta vez, poucas AC...
Na Figueira da Foz, o enorme Largo das Gaivotas encontrava-se anormalmente despido de autocaravanistas… tanto melhor porque assim, fomos até à divisória da praia onde estacionamos na companhia de uma dezena de holandeses.
No regresso a necessidade de ‘’trautear’’ com amigos de longa data. Telefonei ao velho ''camarada'' dos tempos coloniais o VMFFadigas… não atendeu… coisas da idade… mas… a mensagem deixada no ‘’voice mail’’ valeu para o seu telefonema de final de tarde… é que após 40 anos ainda saber de cor e salteado o seu nome completo… despertou-lhe a curiosidade…
O Casino da Figueira
O encontro foi por ele marcado para o ‘’CASINO’’ onde, a crise de notava pela fraca procura dos ‘’habitués’’ e onde o café (‘’bica’’) ainda custa a ‘’módica’’ quantia de € 0,50!!!
Para animar o re-encontro, liguei para um número de Londres… e passei o telemóvel ao Fadigas… uma incompreensão… já que não era eu a falar… e finalmente o ‘’partilhar’’ de reencontro ‘’a três’’ a tanta distância… Uma Felicidade!... acessível apenas a alguns…
Entretanto as despedidas…
Percorridos: 3.634 Km Dia 175 Km
GPS N 40º 8’ 54.6’’  /  W 8º 52’ 7.2’’
Figueira da Foz
Dia 36 – 7.ABR.11 – 5ª. Feira
FIGUEIRA DA FOZ – TOCHA – MIRA – COSTA NOVA
Desta vez o GPS pregou-nos nova partida, fez-nos entrar numa boa estrada florestal, por entre um enorme pinhal, com um recém colocado piso novo… mas,… a meio… de 80 km/hora… passamos para 40km/h… já que a coloração do piso fazia prever uma pista térrea… vá lá… podia ser pior… era um alcatrão mesclado de grevilha que nem estava mau de todo.
Lá chegamos à magnífica Costa Nova onde estacionamos do ‘’deserto’’ espaço destinado a AC na margem da Ria, para a ida à Padaria e Mercado.
O Mercado de Peixe da Costa Nova...
Os meus parceiros compraram três frescos peixes e rumamos para a simpática AS para AC que no momento tem os Wc encerrados e a torneira de água desprovida do ‘’contador’’… ‘’no problem’’ diz-me um simpático súbdito de Sua Magestade do Reino Unido… ‘’I have a kee’’ e vai daí com uma chave abre a água e dá um banho ao seu caniche…
Mesmo existindo dois locais apropriados para AC, há sempre quem goste de ''dar nas vistas''... ao fundo à direita o Parque de AC onde estacionamos.
Os meus parceiros foram a Angeja reparar o frigorífico e eu… pela primeira vez na viagem… ‘’passei pelas brasas’’ ao som da ondulação do mar… Uma delícia…
Percorridos: 3.702 Km Dia 68 Km
GPS: N 40º 36’ 51.62’’ / W 8º 45’ 7.31’’
AS para AC Costa Nova
Dia 37 - 8ABR11 - 6ª. Feira
COSTA NOVA - AVEIRO - GAFANHA - ANGEJA - AVEIRO

De madrugada, acordei com o ribombar das ondas.
Levantei-me para a ida ao WC e para ligar o ''boiler'' para o duche matinal. Acontece que após uns segundos, levantei-me de novo já que o sinal de ''gas off'' me inquietou... fiquei sem propano...
Ainda retomei o sono mas às 7 e 30h... o duche de água ''fria''... levou-me a Aveiro em busca dum ''posto BP''... pelos vistos passei ao lado de 3... mas... apenas ba saída para a Figueira consegui a troca de botija...
Na volta... reparei que um dos postos de abastecimento da BP fica paredes meias com a área de serviço para autocaravanas ''dos Galitos''...
Ainda fui à Gafanha da Nazaré para ''afinar'' o sistema de localização de GPS, mas... faltava uma pequena ficha para a necessária ligação, pelo que terei de voltar a fazer a visita.
Costa Nova de novo, onde ainda passei pelas brasas após o almoço... é uma delícia adormecer ao som da ondulação do Atlântico...
Nova ida a Angeja para nova afinação do frigorífico da AC dos meus amigos e regresso a Aveiro para pernoita junto à Ria.
Um telefonema ao amigo AC de Pardilhó Manuel Estrêla, que de pronto nos convida a ir jantar ''peixe frêsco'' à ''Cantina da Lota'' na Gafanha da Nazaré (Telef. 234363599)...
Há que ignorar a presença de ''agente de autoridade'' à entrada do Porto marítimo pois o Restaurante é mesmo no Porto... 
Comentários sobre o jantar? desnecessários... aqui deixo as imagens.
À chegada à Ria... demos conta que 4 AC francesas haviam saído... Ria fora... para os lados da Marina... aproveitando a agradável noite, descobrimos que preferiram pernoitar junto aos barcos de recreio... uma boa aposta pois na Ria... os ''putos da noite'' fazem bastantes ondas sonoras... ficará para a próxima passagem ao fim de semana...

Percorridos: 3.738 Km Dia 75 Km

Dia 38 - 9.ABR.11 - Sábado
FIM DESTA VIAGEM de 38 dias
AVEIRO - ANGEJA - BRAGA
O início do regresso a casa para uma paragem na AS dos ''Galitos'', onde aos fins de semana é uma boa opção pernoitar pois junto à Ria, os jovens que durante a madrugada chegam das discotecas... incomodam sempre...
AS para AC dos Galitos... pertinho do centro de Aveiro GPS: N 40º 38' 13.7''  /  W 8º 38' 20.4'' 
Passagem na ''Albicampo'' onde os meus parceiros de viagem deixaram em ''internamento'' a sua casa rolante, para uma última afinação do frigorífico... e... aceitaram a minha ''boleia'' até casa...
Finalmente em casa... com imensa papelada na caixa de correio... papéis para preencher... Censos... IRS... e outras coisas aborrecidas para tratar...
Feita a pesagem... registo aquele que julgo ser o pior da viagem... o aumento de peso... mais 3 KG!... lá terei de voltar à bicicleta, às caminhadas no PNPG e... aos chás de folhas de oliveira...
Percorridos: 3.917 Km Dia 140 Km
Enviar um comentário