De Autocaravana, tenho vindo a viajar ''cá dentro'' e pela Europa... para lá do Círculo Polar Àrtico - até ao Cabo Norte, onde vivenciei o ''Sol da Meia-Noite''.
Viajei em Autocaravana pelo Norte de Àfrica... (mais de uma vez), muito para lá do Trópico de Cancer... até à Guiné-Bissau.
Fui também por estrada à Àsia - Turquia e Capadócia, sendo que no regresso fiz a Croácia e dei um saltinho a Mostar e Saraevo na Bósnia-Herzegovina.
Sem pretensiosismo literário ou outros, apenas pela PARTILHA, dessas e outras viagens vou dando conta neste espaço.

Países visitados em Autocaravana: - EUROPA: ESPANHA – ANDORRA -FRANÇA-ITÁLIA-MÓNACO- REINO UNIDO - IRLANDA -HUNGRIA-REP.CHECA-SUÉCIA-ESLOVÉNIA - ESLOVÁQUIA- POLÓNIA-AUSTRIA-SUIÇA-ALEMANHA-BÉLGICA-HOLANDA-DINAMARCA-NORUEGA-FINLÂNDIA-ESTÓNIA-LETÓNIA-LITUÂNIA-BULGARIA - BÓSNIA HERZGOVINA- ROMÉNIA -GRÉCIA – CROÁCIA – LIENCHSTEIN – LUXEMBURGO – S.MARINO - VATICANO ÀSIA : -TURQUIA-CAPADÓCIA ÀFRICA: GUINÉ-BISSAU – CASAMANÇA – GÂMBIA – SENEGAL – MAURITÂNIA – SAHARA - MARROCOS

Outras viagens:RÚSSIA (Moscovo e S. Petesburgo) -AMÉRICA do NORTE:CANADÁ (Quebec-Ontário-Montreal-Otawa-Niagara falls) - EUA(Boston-Nova Iorque-Cap Kenedy-Orlando - Miami)AMÉRICA CENTRAL:CUBA (Havana - S. Tiago de Cuba - Trinidad - Cienfuegos - Varadero)- ÀSIA :CHINA (Macau-Hong Kong) - VIETNAM(Hanói-Danang-Ho Chi Min) -

domingo, setembro 26, 2010

73 a 89º A Bósnia e Croácia em Autocaravana

era um hotel... era! Já não é... 
Dia 73 - 10.SET.10 - 6ª. Feira
MOSTAR - SARAJEVO (Bósnia-Herzgovina)



Na saída, na saída da cidade, mais prédios parcialmente destruídos… uma imagem dantesca… como viverão hoje em dia as pessoas com este pesadelo do passado? Impressionante… estrada fora… de tempos a tempos, um cemitério próximo do casario… muitos pelo percurso, e sempre mas sempre as marcas dos tiroteios nos prédios…

A paisagem do percurso para Sarajevo, é magnífica, diferente da Croácia, mas de igual modo bela. Montes rodeiam a estrada e esta margina com o rio…
A chuva após percorrido metade do percurso, foi caindo até chegar à capital da Bósnia…
Sabemos estar sediada uma companhia da GNR nas proximidades da cidade… mas nem um vimos… também já estão praticamente de regresso a casa pois os 4 ou 5 países que estão aqui à volta irão retirar no próximo mês.
A cidade fervilha com imensa juventude. Visitamos toda a zona central da parte velha e, como já seria de esperar, é chocante ver o edifício onde existia a Biblioteca Nacional, completamente vandalizado, toda a literatura existente da história do povo, foi destruída selvaticamente pelos Sérvios… até dói ver o que resta daquilo que na altura foi notícia mundialmente falada pela perda incalculável de história dum Povo.
Ao chegar tentamos estacionar num local referenciado na net, mas não conseguimos descortinar qual seria… decidido estacionar num parque de estacionamento, com uma enorme sorte fomos para um que fica entre prédios, sossegado por isso, e a 100 mts das ruas pedonais do centro.
P:- GPS:
Percorridos: 13.679 Km – Dia: 



Dia 74 – 11.SET.10 – Sábado
SARAJEVO – GAKO – IVANICA (Bósnia-Herzgovina)-(BIH) /(Croácia) DUBROVNIK
À noite em Sarajevo
Muita agitação com a campanha eleitoral em todo o país.
A noite no Parking, foi extremamente calma. Não ficou nenhuma viatura estacionada… apenas a nossa. Mas choveu a noite todinha…
Arrancamos cedinho e apontamos para um percurso alternativo, bastante sinuoso e sempre paredes meias com a fronteira do recém-estado MONTENEGRO.
A chuva, não nos largou e até apanhamos numa zona da estrada uma série de rochas caídas na estrada… imensas florestas nos montes adjacentes e muito nevoeiro… pelo caminho em pequenos nichos dos campos próximo do casario, cemitérios, como que improvidados… são assim as guerras impiedosas…
A meio do percurso, a estrada estava cortada por recentes temporais… uns sete kilómetros a circular por uma antiga via estreita e sinuosa… no início paramos para visionar o mapa… mal havíamos parado, aproxima-se casal Montenegrino, simpático, a perguntar se necessitávamos de ajuda… lá nos contaram com alegria que pelo referendo de há meia dúzia de anos, conseguiram separar-se da Sérbia. Quando lhe disse que esperava que a paz ficasse… torceu-me o nariz, como que a dizer que ainda persistem muitas feridas…
A partir daí o sol voltou a brilhar… e a paisagem tornou-se inicialmente mais planaltica e depois mais agreste…
Mais uma nota negativa: As ''máfias de leste''!
Fui a uma estação de serviço na última cidade da Bósnia... atestei... ou melhor, a meio surge uma ''girl'' que insistentemente fez questão de fazer ela o serviço... Ok... nada vi de mal...
Acontece que pelos km percorridos deveria ter inserido 20 lts de gasóleo... achei estranho que num ''ápice'' o mostrador da ''bomba'' passou a zero... não faz mal... está no computador lá dentro... de pé atrás... vi logo ao pagar... eram 30 lts... Uma vez mais ''fui levado'' - o tipo quarentão com ar de que quer enriquecer com rapidez... lamentou ter apagado por engano... mas no computador... estava certo... Lá lhe fiz o sinal entendível com os dedos da mão... por € 10,00 não justifica perder tempo...
É impressionante a forma como alguns nestes países roubam tão descaradamente... 
Entramos na Croácia no alto duma serra, de onde se avistava uma cidade croata a sul de Dubrovnik.
À saída da Bósnia o polícia limitou-se a olhar os passaportes e a mandar seguir. Do lado croata, o mesmo, mas com direito a carimbo de entrada…
E Dubrovnik ali tão perto… lá do alto uma paisagem maravilhosa, avista-se logo um barco de cruzeiro a aguardar vez no porto… As fotos à parte velha cá do alto, de onde terão partido os ataques do exército jugoslavo, de grupos armados Bósnios, Sérvios e Montenegrinos…
esperando vaga no porto...
Decidimos rumar ao camping super publicitado nas estradas – o Solitudo – que depois entendemos  a razão dos franceses que entretanto haviamos encontrado em  Split e que voltamos a ver lá no alto de Dubrovnik em procurar um a 6km a sul...





Pois – ao chegar – o preço é o mais alto de toda esta digressão: 223 Kuna’s - € 30,00!
Experimentamos fazer o percurso a pé desde o Camping, até à parte velha da cidade... é sempre em frente...custou-nos uma hora de caminhada (serão 3,5 km)... nada que não se curasse com uma ''bejeca'' croata ao chegar à entrada da fortaleza...
Feita a visita, já a noite chegara pelas 19 horas, entramos num simpático restaurante onde apreciamos dois pratos ‘’à Dubrovnik’’ um de peixe e outro de carne… regados com um branco da região… uma delícia.
A garrafa contém sabem o quê???
O regresso no autocarro poupou-nos as pernas…
Camping Solitudo - sinalizado - N 45º9'53.82'' E 13º36'27.89''
Percorridos: 13.938 Km – Dia 259 Km


Dia 75 – 12.SET.10 – Domingo
DUBROVNIK (Croácia) – NEUM (Bósnia-Herzegovina) – MAKARSKA (Croácia)
Aproveitada a manhã para as ‘’arrumações’’ necessárias. Preparado o almoço, saímos após.
Ainda demos uma olhada à cidade e estacionei mesmo na minúscula praça central, sempre sob olhar complacente de dois polícias… enquanto a minha companheira foi às últimas comprinhas.
Ainda passamos pelo porto, mas os grandes barcos haviam saído… nem um lá estava… mas na cidade os turistas ainda eram muitos.
Voltamos à sinuosa estrada por onde ainda não havíamos passado pois optamos por inflectir para a Bósnia. Uns 60 km volvidos, sempre com as ilhas croatas próximas da costa, chegamos à fronteira da Bósnia que ‘’corta’’ a Croácia em 15 km.
O acordo de passagem de pessoas e viaturas prevalece. Na fronteira, nem se chega a parar,… o polícia olha para a matrícula e para nós e nem deixa que a AC pare…
À esquerda, a fronteira Bósnia e à direita a cidade Neum.
Nem pelo seguro perguntam. É um facto que são 15 km onde dum lado é o mar e muito próxima uma das ilhas croatas, e do outro, montes… apenas na parte central uma cidade Bósnia, não muito grande, com o porto de mar. Ainda entramos numa estrada que dá acesso ao país, mas nada de controlo…
Prosseguimos e à saída, então nem deu para ver a cara do polícia… sempre a rolar…
Entretanto chegamos à encruzilhada que dá para Mostar e daí em diante a paisagem e a estrada já nos eram familiares. Não optamos pela AE já que decidimos pernoitar para visitar a cidade costeira Makarska – na ‘’Riviera’’ Croata -… e logo após a entrada no camping, fomos a pé por um passeio pedonal sempre ao lado do mar ‘’chão’’, e dos inúmeros hotéis e restaurantes…
Na parte velha, ainda questionamos os preços do Ferry para a vizinha ilha de Brac~ (Sumartin), a terceira maior ilha do Adriático (com 14.000 hab.), e tem 40x15 km.. Não vamos lá pois o custo do barco e a falta de tempo não aconselham a visita (33Kn/pess+AC >7mts 451Kn +-€ 72,00).
Uma noite serena já que a temperatura subiu – entre os 24 a 27ºC – e o vento era nada tornando o mar um imenso lago de água lisa e transparente.
Pernoita: Camping N 43,30728º L 17,00400º (a 2km da cidade- passeio marítimo agradável).
Percorridos: 14.110 Km – Dia: 172 Km
DUBROVNIK - Croácia
Fundada no século VII, Dubrovnik, também conhecida como “A pérola do Adriático“, é um dos destinos turísticos preferidos da Croácia e um porto marítimo. Em 1979 considerada património mundial pela Unesco, a cidade possui um aeroporto internacional, o que facilita a visita. Actualmente a população é de cerca de 50.000 habitantes.
A prosperidade da cidade foi, desde sempre, baseada no comércio marítimo. Na Idade Média, ainda enquanto República de Dubrovnik, tornou-se na única cidade estado do leste do Adriático a rivalizar com Veneza. Especialmente durante os séculos XV e XVI, atingiu um notável nível de desenvolvimento. Foi, também, em Dubrovnik que, em grande parte, se desenvolveram a língua e a literatura croatas.
No século XX a sua história foi muito conturbada. Depois da queda do Império Áustro-Húngaro (de que tinha sido parte), a cidade foi incorporado no novo Reino de Servos, Croatas e Eslovenos, mais tarde Reino da Jugoslávia. Durante a Segunda Guerra Mundial, Dubrovnik tornou-se parte do Estado Independente da Croácia, um fantoche do regime Nazi alemão. Após 1944, com o fim da guerra, integraria a Jugoslávia.
Em 1991, a Eslovénia e a Croácia declararam a sua independência da Jugoslávia, o que conduziria a um cerco de sete meses à cidade de Dubrovnik por parte de forças da Sérvia e do Montenegro. Os ataques sobre a cidade provocariam danos em quase 70% dos seus edifícios históricos. Nove foram completamente destruídos em incêndios. Depois do fim da guerra foram gastos milhões de dólares na reconstrução.



Dia 76 – 13.SET.10 – 2ª, Feira
MAKARSKA – OMIS – SPLIT – TROGIR (Croácia)
Saída em direcção de OMIS, que em procurando onde estacionar nos levou rio acima até ao local de onde iniciam a descida do rio os amantes do ‘’rafting’’.
O passeio que havíamos pensado fazer de barco, rio acima, não se justificou dado que a fazer o percurso pela estrada verificamos que as ‘’quedas de água’’ estavam ‘’desligadas’’… não caía gota de água. Almoçamos num dos poucos espaços contíguos à apertada estrada, ponto de apoio aos praticantes de ‘’rafting’’.
Após uns 14 km de estrada rumo ao interior, havia mesinhas de venda de garrafas de vinho da região… directamente do produtor para o consumidor. Paramos junto a uma que tinha uma velha senhora vestida de negro… viúva desde há 5 anos… que nos convidou a entrar na pequena adega contígua para provar… a nora faz-nos provar o tinto, depois o branco e finalmente a meu pedido um licor de noz divinal…
Encomendei duas garrafas de vinho tinto e branco… encheu directamente da ‘’cisterna’’, inseriu a cápsula e colocou a ‘’carapuça’’ aquecendo com um secador especial… sem rótulo… custou-me cada ‘’botelha’’ 25 Kuna (cerca de € 3,50). Fizemos a viagem em descendo as muitas curvas até OMIS, onde existem dois parques de campismo, um enorme, junto ao mar, e o outro ao lado do rio junto da parte central da cidade, mas prosseguimos passando de novo por SPLIT e dando umas voltas na cidade Património Mundial de TROGIR.
O estacionamento para AC custava umas 40 Kn/hora… uns € 6,00!!! Procuramos um Camping e o que vimos mais próximo (2,5Km) era na ilha contígua de CIOVO, ligada a Togir por uma ponte.
O Camping é muito agradável. Forma uma península entrando mar adentro, sendo que o espaço do lado da praia era mais caro. As instalações sanitárias são óptimas e à porta temos ‘’bus’’ para a cidade. Pensamos ir a pé ao centro,… andamos uns 200 mts, mas o pôr-de-sol, fez-nos repensar… retrocedemos, assistimos ao ‘’adormecer’’ do sol no camping.
Prescindimos do restaurante do camping e confeccionamos o jantar, regadinho com uma das ainda sobrantes garrafitas de tinto alentejano…
Camping ROZAC – N 43,50529º  -  L 16,25818
Percorridos: 14.241 Km – Dia: 131 Km
Dia 77 – 14.SET.10 – 3ª. Feira
TROGIR – ZADAR – NIN (Croácia)
Ao dealbar o dia, fora da cama e pés ao caminho em direcção ao Centro Histórico da cidade Património Mundial. Existe um ‘’atalho’’ por entre as casas construídas nas pedras rectangulares que Veneza buscou para se fazer uma grande cidade…
Apenas 15 minutos até ao centro.  Aí, palmilham-se as estreiras ruas e constata-se que estamos perante uma cidade arejada, simpática e cheia de história.
De volta ao Camping (que recomendamos), um mergulho nas calmas águas do Adriático… já frescas… nada comparável com o Mar Egeu ou o Mar negro… mas para meados de Setembro, trata-se de um mergulho agradável e calmo.
O almoço ainda no Camping e pelas 13 horas saída em direcção à também admirável cidade de Zadar. 
TROGIR
Subida de encosta em ''S'', e a vista panorâmica de TROGIR - magnífica - .
Estacionamento num dos enormes parques próximos do centro ( 3,00 Kn/hora = € 0,50).
Visita à velha cidade e seus monumentos. Duas pausas para apreciar os ‘’gelados’’ croatas… foram dois, um a seguir ao outro… divinais… e apenas € 0,90 cada… frrrr… chuac… good…
Saída para a península contígua de NIN, onde pernoitamos no simpático Camping Ninska Laguna – www.ninskalaguna.hr junto à praia da rainha, longe das grandes vias de comunicação e das zonas industriais.
GPS – N44.24693º - L 15.17459º
Percorridos: 14.402 Km – Dia 161 Km
Dia 78 – 15.SET.10 – 4ª. Feira
NIN – POSERDARJE – PREZID – KORENICKA – PLITVICKA-JEZERA (Croácia)
O Camping à esquerda.
NIN
Uma olhada ao sair à pequena cidade de NIN e continuação do percurso até ao objectivo de hoje – O Parque Nacional de Plitvice -.
O percurso de interior levou-nos por diferentes paisagens, ora montanhosas um enorme lago à mistura e… planícies de pastoreio.



O tempo agradável mas quente para a altura do ano. Voltamos às sandálias, calção e ‘’tishirt’’…
Chegamos ao enorme Parque de Campismo (via GPS), o Camping Korana, sinalizado após Plitvicka-Jezera. Situado a 6 km da entrada 1 do Parque Nacional. 
Tudo incluido € 15,00!... mesmo a net/wireless...
Sim. O Camping... enorme...
Cada um escolhe um local ao seu gosto...
Os grupos... jogam ''petanca'' (alemães e austríacos...
O melhor camping que conheci, sem dúvida.
O Camping já de si é uma espécie de Parque Natural, tal a sua dimensão de relvados e arvoredo.
Como chegamos pelas 14h, teremos de cá ficar um dia mais pois às 8,30h sai o ‘’mini-bus’’ para o Parque 1 e daí adquire-se o bilhete por 110Kn/pessoa (€ 15,00)  e… botas ao caminho…
Camping: N44.94984º - L15.64286
Percorridos: 14.570 Km – Dia: 168 km  


De 30.JUN a 15SET10... ainda na Croácia.

Dia 79 - 16.SET.10 - 5ª. Feira
Lagos de Plitvice na Croácia - Património Mundial
O dia 79 da viagem foi passado no Parque Nacional de Plitvice na Croácia que recomendo vivamente
O Parque Nacional ‘’Os Lagos de Plitvice’’, pela sua extensão (294,82 Km2) é o maior entre oito parques nacionais da Croácia. A região dos Lagos de Plitvice foi proclamada Parque Nacional em 1949; assim, ele é o Parque Nacional mais antigo da Croácia. No ano de 1979, este Parque foi inscrito na lista do Património Mundial protegido pela UNESCO.
Os Lagos são conhecidos pelas suas cascatas de ‘’tufos’’   e pelo processo biodinâmico permanente de resurgimento dos ‘’tufos’’ calcários,  nas condições éco-hidrólogicas específicas.
O ‘’tufo’’ é uma  rocha porosa de calcário criada pela sedimentação do carbonato de cálcio da água, a qual forma barreiras, umbrais  e outras formas em rios de regiões calcáreas. O processo da formação da ''tufa'' predomina essencialmente nas inúmeras cascatas dos Lagos de Plitvice, mesmo quando os milhares de turistas diários percorrem as dezenas de kilómetros de caminhada.
Percorremos os trilhos iniciais desde o Parque 1, até às enormes quedas de água, que nesta altura do ano não apresentam a sua plenitude. Subimos mesmo à parte superior, de onde surge o rio que se distribui pelas várias fendas antes de tombar do alto.
Prosseguimos em direcção ao grande lago, quando encontramos um jovem casal português, O Joel e a irmã, que inteligentemente decidiram gastar os tostões que dariam para fazer umas férias no Algarve, optando por viajar de avião até Zagreb, alugaram uma viatura e... percorrem toda a Croácia utilizando a imensidão de ''quarto'' disponíveis em todo o país.
Parabéns ao Joel e à sua irmã.
De barco ''eléctrico'', percorremos de uma ponta à outra o grande lago.
De novo subimos os trilhos que ladeiam os imensos lagos e respectivas cascatas.


Ao chegar ao último, ainda pensamos contornar o mesmo, mas a beleza natural percorrida já dispensou mais esse esforço.
Entramos num dos muitos ''combóios eléctricos'' (viaturas Mercêdes/Unimog com mais 2 atrelados), que nos trouxe de volta ao grande lago.
De novo no pachorrento barco atravessamos o lago, fazendo o trajecto de regresso a pé... aí sim... cruzamos por um grande grupo de Portugueses (mais elas do que eles), que palrravam trilhos adentro comentando que (pudera, àquela hora da tarde) não sabiam se teriam forças para continuar as subidas... tinham todo o aspecto de ''professoras aposentadas'', digo eu,...
Na paragem do autocarro para o Camping estivemos uma hora à conversa com um casal alemão que num bom francês nos surpreendeu... nunca havia conversado tanto com alemães... uma troca de experiências de viagens.
E assim terminou mais um dia desta viagem que classifico de ÓPTIMO e recomendo vivamente a visita a este Parque pois toda a sinalética ajuda a que a visita se faça de forma agradável.


Esta foto é digna de ser ampliada... CLICAR nela.





Dia 80 – 17.SET.10 – 6ª. Feira
Parque Nacional Plitvice – VAGANAC – POLJANAC – JOSIPDOL – BRINJE – ZUTA LOVEKA – MELNICE – Ilha de KRK
Despedimo-nos daquele que para nós foi o Camping mais completo, com uma área de 35 há. Pode receber cerca de 2.500 pessoas que são livres de escolher o local, quer seja em zona plana e alcatroada, quer nas imensas áreas relvadas por entre frondoso arvoredo. Sempre com pontos de luz próximos e óptimas instalações de apoio. Com mini-mercado, bar e restaurante e ainda net-wireless grátis. O preço pago, justifica-se por isso (190Kn/dia – Por adulto: €10,10 + AC € 6,09 ou seja € 26,30/dia casal e AC (taxas incluídas).
Iniciamos a viagem, tendo confiado ‘’cegamente no GPS’’, mesmo se não entendia os locais para onde nos enviava… resultado: fizemos um circuito à volta do Parque Nacional de 40 km, vindo parar de novo ao local de partida…
Não obstante o erro cometido, o endiabrado, manda-nos por uma estrada florestal, lindíssima, mas tipo manta de retalhos, tantos os remendos e buracos… foram 20 km de inquietude pois por sorte apenas alguns veículos ligeiros cruzaram por nós… passada a ‘’tormenta’’ foi um subir no mapa para depois descer de novo… todos os problemas das viagens fossem como este… bem estaremos.
Todo o restante percurso decorreu por entre floresta e campos… as casas a exemplo do que acontece em todo o país, metade delas estão inacabadas mas com as pessoas a viver nelas… não entendi o real motivo, mas imagino…
Ao longo das estradas, como sempre, um veículo ligeiro parado, uma senhora com um chapéu de sol (neste caso de chuva) e uma mesinha com mel e queijos… dois tipos de queijo,… enormes… um de cor creme e o outro de cor ‘’ocre’’… o primeiro a 140 Kn e o outro a 120 Kn… optamos pelo ‘’creme’’ pois a senhora apenas disse em linguagem entendível: Thank you…
Mesmo se neste tipo de compras se corram riscos… é uma verdade que é uma delícia e nos custou uns módicos € 20,00!!!...
Finalmente a costa, já nossa conhecida. Paragem em SENJE e NOVI VINODOLSKI e porque era essa a intenção, entramos numa das dezenas de ilhas da Croácia, a ilha de KRK onde  construíram uma ponte a ligar a ilha ao continente… claro que a ponte tem portagem e para uma AC fica a passagem por 40 Kn (€ 5,55).
Desde as 4 da tarde que o céu ficou muito carregado e a chuva fez-se sentir. Ao chegar à cidade de KRK , na ilha do mesmo nome, muitos parques de estacionamento ‘’às moscas’’ e mesmo a pagar, estão interditos a AC… passamos junto ao centro e aparcamos num parque (a uns 200 mts) onde a placa sumiu e já lá estavam duas AC alemães… sempre os alemães e os italianos…
À chuva não apetece passear, pelo que o dia ficou-se por aqui.
Pernoita: N45.02812º -  L14.57337º
Percorridos: 14.810 km – Dia 240 Km
Dia 81 – 18.SET.10 – Sábado
KRK (Ilha de KRK) – BASKA –  BAKAR – PUNAT  (Ilha de KRK) –KRALJEVICA – RIJEKA - O PATIJA – LOVRAN – KRAJ – PULA – KALDANIJA (próximo da fronteira com Eslovénia)
Toda a noite caiu água dos céus… As duas AC estacionadas ao pé, apenas uma tinha como residente um idoso senhor (uns 80 anitos… a passar) e tinha acesso às duas… pois quando acordamos estava ele a testar a antena tipo cana de pesca com uma enormidade de altura… enfim,… cada um sabe de si e às vezes, nem isso.
Fechamos a ‘’casinha’’ e fomos sob uma chuva bem caída dar uma olhada ao centro histórico de KRK. A única amizade que fizemos, foi com um simpático felino que se abrigava da copiosa chuva na janela de uma loja… (o comércio abriu às 8 da manhã)… junto ao porto mesmo em dia invernal, as tendinhas estavam lá com os queijos de ovelha, o mel, os presuntos e enchidos  e os vinhos e licores croatas.
Mesmo com a intempérie decidimos descer a ilha até ao topo, esta é a maior ilha do Adriático, com os seus 409 Km2. A ilha ficou unida ao continente após a construção da ponte (portajada), cuja intenção terá sido a de ligar o aeroporto internacional da ilha ao continente. Ao longo da costa oriental, a ilha parece quase fantasma, com rochas brancas varridas pelo vento ‘’bora’’.
No interior e na costa ocidental, mais protegida, a vegetação é rica e luxuriante.
Em PUNAT visitamos a resguardada e enorme marina.
Passada a ponte (portajada) que separa a ilha, registamos com agrado que não se paga à saída…
Passamos  por Rijeca onde entramos num lanço grátis da AE. Em Lovran, já após a AE junto à costa, estende-se mesmo junto à costa, no percurso, inúmeras casas em estilo gótico-veneziano dão à terra um estilo ‘’pujante’’…
Finalmente a visita à cidade mais a sul da península ‘’afunilada’’… PULA. Uma verdadeira cidade Romana, os vestígios não o negam. Ainda conserva edifícios religiosos do Sec V. Após a visita debaixo de chuva… ainda pensamos ficar num camping próximo,… mas como já estamos no regresso, havia que aproveitar o tempo e entramos na AE logo às portas da cidade… de pouco serviu, apenas 25 km (€3,00)… e na parte final, já próximo da fonteira, sempre rolando por ‘’meia-auto-estrada’’ a outra meia estava ainda em construção, nova portagem de 21 kmn (€ 3,00) de novo… não dá para entender…
A 5 km da fronteira com  a Eslovénia, paragem para gastar em combustível as últimas Kuna’s… e… paragem numa área contígua à pacata estrada onde estava uma AC italiana para jantar e pernoita… os italianos como estavam próximo do país… saíram após uma meia hora e nós decidimos ficar… a chuva era de aguaceiro e trovejava a potes…
Pernoita: GPS – Lat 45º26’30.46’’  -  Long 13º37’52.83’’
Percorridos: 15.105 Km (Dia 295 Km)

Um campo de futebol... A baliza está lá... e parte da bancada... conseguem ver???
Dia 82 – 19.SET.10 – Domingo
KALDANIJA (próximo da fronteira com Eslovénia) – BUJE – BUZET (próximo fronteira com Eslovénia) RIJEKA – RUPA (Croácia) – SAPJANE (Croácia) – STAROD (Eslovénia) – MATERIJA (Eslovénia) -   TRIESTE (Itália) -  VENEZA – PÁDOVA – MONTAGNANA (Itália)
HRTv da Croácia... aparcou ao lado da minha ''africana''...
Choveu abundantemente toda a noite, agradável ouvir e adormecer ao som das bátegas de água, como caiu certinha noite adentro, fez com que o adormecer não tardasse… e às nove da manhã já estávamos a arrancar para a fronteira.
Dois kilómetros volvidos, eis que surge  uma fila  a 3 km das duas fronteiras eslovenas. Avançamos passo a passo já que muitos dos ‘’locais’’ faziam inversão de marcha… mas,… aquilo era fila para durar…
Eis senão quando, surgem duas viaturas a ultrapassar tudo e todos e param mesmo ao  lado da minha ‘’africana’’… ainda estive para dizer algo, mas… eram jovens… e que havia eu de fazer? Nada adiantaria… mas… duma das viaturas, sai um deles de microfone ‘’em punho’’ e logo a seguir uma jovem (jornalista)… perguntei-lhe o que se passava… e logo o do ‘’micro’’ se aproxima, e um de ‘’câmara de filmar em riste’’… e lá começaram o trabalho matinal…
A TV croata após me ter dado a notícia... e sugestões para o regresso... Obrigado Tv Croata.
‘’Sabe porque está numa fila?’’ Não sei! ‘’Há quanto tempo aguarda?’’ Há 10 minutos pois vejo todos a inverter a marcha…
A resposta da jornalista veio rápida: ‘’As fronteiras da Eslovénia encontram-se  encerradas!’’…
Pensei de imediato: Lá estão os tipos ‘’na fogachada’’ de novo… nova guerra? A viagem precisa mesmo que ‘’dê pica’’… ahahah
‘’Não! Nada disso. Fecharam estas duas fronteiras pois com o mau tempo as estradas contíguas da Eslovénia estão bloqueadas…’’
‘’Pelos vistos, não sabia de nada… de onde é e para onde vai?’’
Sou Português e vou para Portugal…
Portugal???  Oh… Tem duas alternativas… talvez pela fronteira de Buzet, ou mais longe pela de Rijeka…
O meu muito obrigado à Televisão Croata… ok… ‘’boa viagem de regresso’’. E lá vou eu sem contar passar nas notícias da TV Croata.
E lá fomos… como tantos outros… mas… ainda com chuva, verificamos que os campos estavam completamente alagados e vimos mesmo um campo de futebol apenas com uma fila da bancada  à vista, e uns trinta centímetros da baliza… será talvez o relvado mais regado do mundo!
Chegados à fronteira de Buzet, nem entramos… fizemos ‘’uma arrenúncia’’ pois uma AC austríaca com quem havíamos trocado pequena conversa sobre o bloqueio, já estava de volta e avisou-nos… o polícia diz que as AC são muito altas para passar!... o que terá acontecido? Àrvores sobre a estrada? Fiquei sem saber, mas iríamos tentar a outra fronteira lá para os lados de Rijeka…
Lá passamos o túnel de UCKA já nosso conhecido, portajado em  40 Kn (€ 5,58), e mais um lanço de AE de 13 Kn (€ 2,00) e finalmente a almejada fronteira da Eslovénia de RUPA/SAPJANE… Uff…
A fronteira da Itália foi passada ao Km 15.255, o que quer dizer que fizemos na Croácia 151 km imprevistos, mais as portagens… enfim… intempéries são intempéries…
Ao chegar a Trieste, logo ao lado… o sol voltou a brilhar e a temperatura que passamos de 13ºC passou para os 27ºC… grande subida…
A passagem pela periférica de Veneza sem parar, seguiu-se Pádova e ainda na província de Pádua, fruto da viagem ter sido feita em grande parte pelas EN, vimos uma cidade muralhada à qual não resistimos visitar,  pela sua beleza e grandiosidade – uma muralha de 2 km  - MONTAGNANA -  a acrescentar ao facto havia indicações de AS para Ac… nem hesitamos… visitamos… e pernoitamos… na companhia de meia dúzia de AC alemãs num enorme parque contíguo às muralhas – lado norte-..
A cidade é interessante e ainda por cima havia hoje uma ‘’feira de artesanato e antiguidades’’ pelo que nos misturamos no meio de centenas de italianos, ou não fora Domingo.
GPS: N 45º14’11.95’’ - E 11º28’00.00’’
Percorridos: 15.524 Km – Dia: 420 Km
Dia 83 – 20.SET.10 – 2ª. Feira
MONTAGNANA (Itália) – CEREA – GAZZO – MANTOVA – PIACENZA – MARSAGLIA –OTTONE – BARGAGLI (Itália)
Ao despertar, segue-se o pequeno almoço. No final, o nosso vizinho alemão que viaja ‘’a solo’’, saúda-nos. Conversamos um pouco… também passou na Turquia e gostou… ao dizer-lhe que voltava ao meu país ao fim de 3 meses, questiona-me sorrindo… ainda tens País? Olha que o meu desde Abril que não sei qual é…
É bem verdade, quanto mais tempo se passa fora, se trocam conversas e experiências de povos distantes, mais apetece ‘’girar mundo’’ e pensar que ‘’não se tem país… o nosso país, são todos’’!
Uma vontade enorme de visitar ‘’em pormenor’’ a Itália me invadiu… sim… voltarei.
Apontamos para a área de serviço de AC onde ficaram três semanas antes os nossos parceiros de viagem da Turquia… em Cremona. Um parque de estacionamento enorme. Estacionamento grátis… uma cidade interessante para visita futura pois circulamos pelas ruas centrais e os monumentos eram inúmeros… mas, continuamos.
De Marsaglia a Bargagli, zona montanhosa, curvas e mais curvas por entre verdes arvoredos e zonas campestres,  encostas montanhosas sobranceiras a rio caudaloso de fortes correntes… uma delícia mesmo se as velocidades desceram dos 90km/h para os 30 a 50…
Havia-mos pensado pernoitar em AS para AC em Cervo, mas o cair da tarde levou-nos a uma pequena localidade próxima de Gerona de nome BARGAGLI, ainda na zona montanhosa, e aí ficamos num parque  próximo do casario.
Fazia bom tempo – céu limpo e a temperatura a rondar os 21ºC.
GPS: N44.44632º - L9.08850º
Percorridos: 15.806 Km – Dia 282 Km
Dia 84 – 21.SET.10 – 3ª. Feira
BARGAGLI (Itália) – GÉNOVA – SAVONA – ANDORA – SANREMO – ANAS – Pont St Ludovique (França) – MENTON – MÓNACO – CORNE D’OR – NICE – LA MOTTE (França)
Fronteira Itália/França ao Km  16.005.
AS La Motte – Lat: 43º29’48.19’’N  /  Long: 06º31’53.06’’E
Percorridos: 16.123 Km –
Savona - Itália


Dia 84 – 21.SET.10 – 3ª. Feira
BARGAGLI (Itália) – GÉNOVA – SAVONA – ANDORA – SANREMO – ANAS (Itália) – Pont  St  Ludovique (França) – MENTON – MÓNACO – CORNE D’OR – NICE – LA MOTTE (França)
Volvidos uma dúzia de km e umas tantas curvas, eis que entramos pelo fundo de colinas onde se começam a ver imensos prédios encosta acima da enorme cidade de Génova.
A opção, claro, sempre pela estrada nacional, valeu-nos como seria de esperar umas boas paragens nos semáforos, mesmo assim, é grato ver e sentir todo o bulício dos locais por onde se passa e parar quando se quer ou pode.
Em Savona mesmo sem espaço para parar, passamos à ilharga do porto de mar… um enorme barco de cruzeiro ‘’aparcado’’ num estreito porto paredes meias com a estrada… ‘’bello… bellíssimo…’’, como dizem os italianos…
Passagem em San Remo uma vez mais, e entrada na fronteira francesa, (Fronteira Itália/França ao Km  16.005) tendo logo de seguida cruzado a linda cidade de Menton (visita a agendar).
E, de novo o Mónaco, onde se pode entrar e sair sem grandes dificuldades – passamos mesmo no ‘’seu coração’’ – luxo, ostentação… opulência nas pessoas e nos veículos nos barcos e nos edifícios… mas…  como me equiparo a ‘’São Tomé’’… gosto de ver tudo… pára-arranca e para ajudar à visita, o GPS não tinha mapa do Mónaco… parece impossível, amigo AC messinense Duarte, que gentilmente me cedeu os mapas GPS… não lhe perdoo esta…
O ''coração'' do Mónaco...
Em todo o percurso marginal ao mar, inúmeras praias com muita gente a fruir do bom tempo de final de Setembro.

Ao chegar a Nice, tive de abdicar do princípio de circular por EN… tinha predefinido ficar na AS de La Motte… e lá entrei na AE até próximo de St. Tropez … assim segundo um amigo de viagens, deixei-me de ser ‘’masoquista’’ viajando sempre por estradas nacionais…
Chegada já noite à simpática aldeia de La Motte onde já estavam mais 7 AC, 2 alemãs e 2 francesas.
Depois de um dia de céu azul, muito agradável para viajar, noite calma e sossegada.
AS La Motte – Lat: 43º29’48.19’’N  /  Long: 06º31’53.06’’E
Percorridos: 16.123 Km – Dia 317 Km
Dia 85 – 22.SET.10 – 4ª. Feira
LA MOTTE (França) – BRIGNOLES – AIX EN PROVINCE – MARTIGUES – PORT DE BOUC – ARLES – CARNON – PALAVAS LES FFLOTES – BÉZIERS – NARBONNE – GRUISSAN Plage  -
AS para AC de La Motte
A manhã serviu para aproveitando as estruturas da AS, cuidar das limpesas da AC. Fomos os últimos a sair pelas 11h. da manhã.
A poucos km  de distância, uma enorme zona comercial – paragem para reabastecer de combustível (mais em conta) na cadeia de Hiper ‘’U’’. Aproveitamos para almoçar, tomar ‘’a bica’’ e aceder à net pois houve gente amiga ‘’muito atenta’’ que me telefonou a saber se não tive problemas ao sair da Croácia pois tinha visto imagens na RTP a dar conta das intempéries… o meu muito obrigado a todos, muito especialmente ao amigo AC da Murtosa Estrêla…
Desta forma a saída real do dia de hoje, ocorreu apenas às 14 horas… valeu as inúmeras vias que permitiam velocidades de 90 a 110km/h… para recuperar.
Tinha agendado dois locais para pernoita… o mais próximo seria a já conhecida AS da Marina de Palavas Les Flots… e não é que o GPS me faz passar mesmo lá?
bonito observar os ''flamingos''
Eram ainda 5 da tarde… entrei na zona costeira para ‘’matar saudades’’ e fico boquiaberto… uma trintena de AC estacionadas junto ao mar… com calços, janelas abertas… paro para apontar as coordenadas (logo à entrada de Palavas a 2,5 Km da Marina) e surge um AC, português claro, a viver em França… vinha de Portugal e achou o sítio ‘’interessante’’ e ficou lá uns dias…
As despedidas e passagem no meio dos braços de mar interiores, não tinha ainda apreciado tão belo espectáculo… uma colónia de ‘’flamingos’’ a gozar o lindo dia de sol… e a retemperar forças para regressar a Àfrica…
Continuamos para a AS da Marina… repleta nesta altura do ano, pudera, cidade ao lado daquelas onde se gosta de ‘’arejar’’ à noite, boas instalações para os AC (Wc, instalações sanitárias completas, etc) e os iates a dois metros…
Mas, a opção, foi continuar já a noite se aproximava e ficamos na AS de GRUISSAN Plage onde havia ficado em Julho passado.
Pernoita: AS para AC em Gruissan Plage – GPS
Percorridos: 16.517 Km – Dia: 394 Km

Dia 86 – 23.SET.10 – 5ª. Feira
GRUISSAN (França) – ANDORRA-LA-VELHA (Andorra)






Percorridos:  16.774 Km – Dia: 257 Km

Dia 87 - 24.SET.10 - 6ª. Feira
ANDORRA - LÉRIDA - FRAGA
Percorridos: 16.967 Km - Dia  193 Km - 

Dia 88 - 25.SET.10 - Sábado
FRAGA - SORIA - ARANDA DEL DUERO - VALLADOLID - CALATANAZOR - ZAMORA(Espanha) - BRAGANÇA (Portugal)
Penafiel em Espanha
Chegada a Bragança...
sem comentário
Bragança - Quintanilha

à chegada a Bragança... havia que petiscar e beber uma garrafita Croata!
Antes do Castelo... seguir Parque das Merendas...
A 10 minutos a pé do Centro da Urbe - Parabéns Bragança!
O percurso em Portugal manchado pelos incêndios... uma tristeza.
Ao chegar a casa... o gatolas ''Tiko'' encheu-me a tishirt de pêlos...

Quem não gosta deste ''quadro''?
Percorridos: 17.679 Km - Dia: 712 Km

Dia 89 - 26.SET.10 - Domingo
BRAGANÇA - VILA REAL - FELGUEIRAS - GUIMARÃES - BRAGA
CHEGUEI... finalmente... mas... gostaria de ter continuado... muito sol... por entre umas chuvitas entremeadas...
Vou dentro de dias ''reparar'' as mazelas da ''africana''..,.  fazer ''contas à vida''... melhorar textos e inserir fotos em falta... e logo veremos que fazer... de novo... e... em cada viagem, criamos novos cenários de viagens futuras... 
É salutar viajar, conhecer, tagarelar... em português, francês... até em inglês... e porque não em turco, em croata ou em grego?... Não há barreiras... encontram-se sempre formas de comunicar e vivenciar outras realidades diferentes ou não das nossas.
Percorridos: 17.900 Km  - Dia: 221 Km
Enviar um comentário