De Autocaravana, tenho vindo a viajar ''cá dentro'' e pela Europa... para lá do Círculo Polar Àrtico - até ao Cabo Norte, onde vivenciei o ''Sol da Meia-Noite''.
Viajei em Autocaravana pelo Norte de Àfrica... (mais de uma vez), muito para lá do Trópico de Cancer... até à Guiné-Bissau.
Fui também por estrada à Àsia - Turquia e Capadócia, sendo que no regresso fiz a Croácia e dei um saltinho a Mostar e Saraevo na Bósnia-Herzegovina.
Sem pretensiosismo literário ou outros, apenas pela PARTILHA, dessas e outras viagens vou dando conta neste espaço.

Países visitados em Autocaravana: - EUROPA: ESPANHA – ANDORRA -FRANÇA-ITÁLIA-MÓNACO- REINO UNIDO - IRLANDA -HUNGRIA-REP.CHECA-SUÉCIA-ESLOVÉNIA - ESLOVÁQUIA- POLÓNIA-AUSTRIA-SUIÇA-ALEMANHA-BÉLGICA-HOLANDA-DINAMARCA-NORUEGA-FINLÂNDIA-ESTÓNIA-LETÓNIA-LITUÂNIA-BULGARIA - BÓSNIA HERZGOVINA- ROMÉNIA -GRÉCIA – CROÁCIA – LIENCHSTEIN – LUXEMBURGO – S.MARINO - VATICANO ÀSIA : -TURQUIA-CAPADÓCIA ÀFRICA: GUINÉ-BISSAU – CASAMANÇA – GÂMBIA – SENEGAL – MAURITÂNIA – SAHARA - MARROCOS

Outras viagens:RÚSSIA (Moscovo e S. Petesburgo) -AMÉRICA do NORTE:CANADÁ (Quebec-Ontário-Montreal-Otawa-Niagara falls) - EUA(Boston-Nova Iorque-Cap Kenedy-Orlando - Miami)AMÉRICA CENTRAL:CUBA (Havana - S. Tiago de Cuba - Trinidad - Cienfuegos - Varadero)- ÀSIA :CHINA (Macau-Hong Kong) - VIETNAM(Hanói-Danang-Ho Chi Min) -

sexta-feira, fevereiro 28, 2014

Dias 15 a 20 de viagem - de Safi a Agadir - 26fev a 3mar

Dia 15 - 26fev2014 - 4ª feira
SAFI - ESSAOUIRA
O amanhecer em Safi... no camping onde a noite foi calmíssima e a mesquita apenas fez 'jorrar cantilenas' às 7 da manhã...
Haveríamos de rumar a sul de novo.
As sandálias já substituiram os 'ténis' e as meias...
Os 'agasalhos' foram guardados nos armários...
O calção é que ainda não saíu da gaveta... e até que já podia...
Uma vez mais pela estrada junto à costa, haveríamos à saída de Safi de atravessar por entre inúmeros armazéns de sardinha ou não fora a cidade onde ela é a que mais dá às redes...
A zona mais fumarenta onde passamos logo a seguir tem a ver com a parte indústrial dos fosfatos.
Os maiores produtores mundiais são precisamente Marrocos, Nova Zelândia, Dinamarca e Usbequistão. Marrocos leva a dianteira, quer na produção quer nas jazidas.
Não esqueçamos contudo que as maiores reservas se situam em solo do Sahara (ocupado por Marrocos após a saída de Espanha), sendo um dos motivos pelo qual o Sahara é importante - os fosfatos e a pesca.
esta estrada é interessante, mas... com as bermas a esboroar tornam-se perigosas na ultrapassagem com outras viaturas
Passada essa zona, a paisagem deixou de ser essencialmente agrícola, dando lugar a zonas imensas de aridez absoluta...
É claro que com esta mudança, o clima foi sendo sentido de forma mais quente o que no nosso caso, nos agradou pois há cerca de 4 meses que as chuvas não deixam Portugal.
chegados a Essaouira, o cenário no _P_ onde iríamos ficar 'mudou de figura'...
Essaouira surgiu como destino já conhecido de outras viagens, mas sempre apetecido, naquela que foi a berebere Amogdul ("a bem guardada"), mais tarde, quando foi portuguesa, Mogador (em espanhol, Mogadur). 
Actualmente, tem a sua denominação árabe original.
Essaouira esteve sob o domínio dos Fenícios e dos Cartagineses e, depois, dos romanos, entre o século V a.C. e o ano 25 a.C. A parte marroquina do Império Romano foi conhecida como Provincia Mauritania Tingitana, com a sua capital em Volubilis. Durante toda a época em que o Império Romano dominou a região, a zona de Essaouira era especialmente famosa pela sua produção de púrpura.
Pouco antes da queda do Império Romano, no ano 429, os Vândalos ocuparam a Província. O general bizantino Belisario derrotou os Vândalos no ano 533 e o Império Bizantino passou a dominar grande parte do país.
Desde o século VII até ao século X, a região de Essaouira, habitada pelos bereberes, esteve em luta para conseguir a independência do domínio da dinastia árabe Omeya, que reinava igualmente na parte ibérica do reino. Contudo, durante o século XI Marrocos foi incorporado no Império Almorávide por Yusuf ben Tasfin, fundador da cidade de Marrakech.
Os portugueses, viajantes na vanguarda da descoberta de terras distantes, invadiram a costa marroquina no século XV, estendendo assim a Reconquista até ao continente africano. Essaouira foi conquistada então conjuntamente com Sebta (Ceuta), Agadir (Santa Cruz de Cap de Gué), Melilla, Asilah, Larache, Casablanca e El-Jadida. Foram os portugueses que construiram as primeiras fortificações da cidade, como a famosa Scala.
Em 1578, o exército português (e espanhol) sofreu uma derrota (na Batalha dos Três Reis), na qual morreu o mítico Rei D. Sebastião. O país ficou novamente sob o poder árabe, concretamente, sob o domínio da dinastia alauí.
Em 1764, o sultão alauí Sidi Mohammed Ben Abdallah remodelou completamente a cidade de Essaouira. O nome deste soberano deu a designação ao Museu de Artes Marroquinas, que conta com interessantes colecções de armas, tapetes e vários trabalhos de gravação de metais. No século XVIII, graças ao comercio com a Europa, Essaouira vive a sua época dourada. O sábio sultão tornou a cidade no porto mais importante de todo o reino. Era a porta marítima de Tumbuctu.
À sabedoria do sultão deve-se a instalação dos consulados estrangeiros (como os do Brasil, Portugal e Dinamarca). A era esteve marcada por uma harmoniosa convivência entre distintas etnias que viviam na região (bereberes, judeus, árabes, portugueses, saharianos, etc…). Na epoca, Mogador fazia de ponte entre África e o resto do mundo.
O posterior decréscimo da importância desta cidade atlântica propriciou, em parte, o desenvolvimento marítimo e industrial do porto de Casablanca.
Em finais do século XX, assistiu-se a um renascimento inesperado de Essaouira, graças a chegada de aventureiros, estrelas da música pop, artistas em busca de inspiração... Actualmente, Essaouira possui uma das melhores estruturas turísticas de todo o país, sendo considerada como o melhor "spot" surfista da costa atlântica de Marrocos.
A praia e os surfistas
Vale a pena referir que a Medina se encontra numa constante deterioração, devido a causas naturais e humanas (antropogénicas). 
'apanhado' já de sandálias... amanhã calção...
A intrusão salina, o afundamento do terreno, a erosão costeira e a sobre-exploração dos recursos aquáticos contribuem para a degradação do ambiente urbano.
No entanto, actualmente, Essaouira, declarada Património da Humanidade pela UNESCO, tornou-se uma etapa indispensável em qualquer viagem a Marrocos. 
Até agora, o país orgulha-se de ter sete das suas numerosas jóias declaradas como peças do Património da Humanidade. 
Para além de Essaouira, têm igualmente esta honra os seguintes locais: a Medina de Fez (consagrada em 1981), a Medina de Marrakech (1985), o Ksar de Ait-Ben-Haddou (1987), a cidade de Meknes (1996), a jazida arqueológica de Volubilis (1997) e a cidade de Tetouan (1997).
Já visitei noutras viagens todos estes locais e fiquei maravilhado.

Os pássaros vão colher sementes à loja... e o logista não se incomoda...
Percorridos: 2.025 Km ( Dia 125 Km)
Não sou escritor nem poeta. .. para isso tenho os amigos. Após mais esta visita, subscrevo em pleno:
Agucemos as pontas
as pontas da língua 
as pontas das mãos
as pontas dos dedos
as pontas dos lápis
e escrevamos pátria sem medo
Tejo com velas
Índia com rumo.
Partamos pela manhã
para que nos vejam as aves
e connosco façam a viagem
até onde houver ainda azul
ou até o escuro se houver noite
mas partamos em cada nau
onde a vontade é o leme
e o destino Liberdade.

maria isabel fidalgo
Dia 16 - 27fev2014 - 5ª. feira
ESSAOUIRA - TAGHAZOUTE - TAMRHAKH
as árvores de 'Argan' ao lado da estrada
Mais uma vez junto à costa Atlântica, em paisagens áridas que denotam pouco ter chovido este ano.
O dia soalheiro foi-nos dando algum calor pois os ventos deixaram de incomodar.
Ao longo da estrada passamos por uma dúzia de cooperativas de mulheres onde se pode adquirir directamente os produtos de 'Argan'.
Noutras viagens, tenho-me cruzado nas estradas por animais diversos, desde os camêlos/dromedários, às rênas e macacos... nesta estrada, evitei 'atropelar' por duas vezes tartarugas... nunca tal havia presenciado antes... ambas do tamanho de uma mão bem aberta... lá se safaram...
O velhinho PDA e o Garmin, são a minha estreia em Marrocos
Nestas partes do percurso, o Gps não seria assim tão importante... e... no meu caso, trago dois... (um com mapas Tom-Tom e outro Garmin).
As primeiras visitas a Marrocos, fi-las apenas com o tradicional mapa Michelin...
Depois em 2006... havia comprado um PDA e como não existiam mapas de Áfirica para Gps, 'saquei' na net o mapa 'digitalizado' da Michelin, o que foi uma grande ajuda... de véspera traçava o percurso e ia vendo com uma 'seta' em que parte do mapa ia passando... 
Nada de 'meninas' a falar a dar instruções para seguir à esquerda ou direita...
Desta vez, e graças ao grande 'tecnicien' Duarte Andés de SB de Messines... tenho os dois a funcionar pois nas grandes cidades tenho sempre uma opção diferente...
ao meio-dia... haveria de 'confeccionar' uma refeição que desconheço exista nalguma receita: arroz de ervilhas com tamboril e mexilhões... soube-me pela vida...
Através da net tenho mantido contacto com a 'Avó Amélia', a autocaravanista da Gafanha que vem em Novembro para cá e regressa no final dos 6 meses permitidos pelas autoridades marroquinas.
Fomos assim encontrar-nos com ela logo a seguir ao antigo camping de Tahgazourte sendo que em toda esta zona fronteira ao mar 'residem' meses a fio centenas e centenas de autocaravanistas ou 'surfistas'...
o estacionamento 'selvagem' de Taghazoute
E lá estava a Amélia, que conhecemos aqui mesmo há 8 anos atrás... e mais duas AC de Portugeses a fazer-lhe companhia...
Assim sendo, seremos 5 AC por uns dias... já que o vento nos deixou e o sol nos não tem abandonado...
há espaço para todos! Até quando?
Toda esta imensidão de terrenos tem um projecto de construção de infraestruturas várias, desde escolas de 'surf' a campo de 'golf' pelo que a breve trecho os autocaravanistas terão de ir mudando de 'poiso' sempre com os rebanhos por perto...
Já não é coisa que me espante... junto ao mar... rebanhos enormes de cabras e ovelhas passam à ilharga saltitando alegremente...
Haverá vida melhor que esta?
Adicionar legenda
temos vizinhos com 'apartamentos' de todos os tamanhos e feitios...
Num instante que o dia foi caíndo, dando lugar ao 'coucher du soleil'...

Amanhã será outro dia.
Percorridos: 2.181 Km ( Dia 156 Km )
_P_ N 30º 31' 26.4''  W 009º 41' 25.4''
Dia 17 - 28fev2014 - 6ª. feira
TAGHAZOUTE / TAMRHAKH
compre-me que é a minha avózinha que os faz... diz o jovem com ar enternecedor, mostrando o apego à avó...
Manhã cêdo, chegam novos e velhos a vender um pouco de tudo.
Para me deliciar ao pequeno almoço, um bom e suculento sumo de laranja acompanhado dos magníficos bolinhos caseiros de côco! Divinal!
A povoação a sul de nome  TAMRHAKH
Da parte da tarde, uma incursão pedestre à vizinha povoação de Tamrhakh.
anúncio do projecto de melhoramento desta zona costeira
As comprinhas para fazer uma 'sopa de legumes' e a visita ao 'Camping' local.
Repleto de autocaravanistas e com boas condições, piscina, bons sanitários, wireless... lojas com tudo o que o AC precisa... antenas parabólicas... painés solares... estofadores...
O preço médio do 'camping' é de € 12,50 que achamos aceitável pois cada AC dispõe de um alvéolo com eletricidade e água.
a àrea de 'serviços' impecável
ruas alcatroadas e instalações sanitárias tipo europeu
já no exterior do 'camping'... o sempre agradável sumo de laranja...

'Póneis' para as crianças...
a ciatividade dá para tudo... 
O regresso junto ao mar, passando por mais um 'camping selvagem' idêntico ao 'nosso'...
O 'nosso bairro'... lá estão as 5 AC 'portugas'...
surfistas aos molhos... de vários países europeus


para as deslocações dos 'fatigados'... 
enorme... e como não fora o bastante... um enorme atrelado...
tudo que seja bizarro... é Alemão...
aqui estamos nós... e mais o 'carrito' de Ana, a Marroquina amiga de Amélia
O final de dia, sempre igual... sempre diferente... sempre maravilhoso.

Artur... olha o pôr de sol'... deixa a internet...

Dia 18 - 1mar2014 - sábado
TAGHAZOUTE / TAMRHAKH
não precisa de buzinar... o trabalhar do motor diz-nos logo que é o camião da água...
Tenho-me levantado a meio da manhã... com o estralejar das ondas como pano de fundo...
Diáriamente passam dois fornecedores de água...
Encher o depósito da AC e ainda os 'bidões' suplementares, custa 20 dirham's (cerca de € 2,00)... é barato ainda mais sabendo que o alojamento é gratuito.
Para quebrar a 'monotonia' do local e para manter o bem estar físico, vamos caminhando em redor do 'poiso' onde estamos.
até podemos fazer exercício físico ao ritmo dos surfistas
o passeio pedestre até próximo de Taghazoute
Perante esta permanência no mesmo local, pouco mais haverá a dizer.
As fotos que vão falando por mim.
igual à de ontem? é possível... com algumas pequenas diferenças... o sol hoje, vai descendo até às águas do oceano...
ontem a névoa junto ao infinito não deixou vislumbrar o desaparecimento solar...

para terminar... aqui vai esta...
Dia 19 - 2mar2014 - domingo
TAGHAZOUTE / TAMRHAKH
Mohamed e os frasquinhos de 'Argan', cremes e morangos e franboesas...
Hoje tivemos a visita do fornecedor de gás... sim... leva a nossa botija e amanhã trá-la de volta 'carregada'... a mesma, claro pois o sistema Marroquimo é idêntico ao Francês...
Diáriamente Mohamed faz-nos a visita com a sua 'lojinha ambulante'... é um homem pobre, mas um 'poço de simplicidade e simpatia'... Eu diria... que um Amigo.
Dei-lhe um copo de vinho... mesmo sendo muçulmano, não o negou, mas confesou que momentos antes, um Francês lhe deu Wisky!!! Oh Mohamed... não vais atinar com o 'negócio'... vê se te cuidas... haveria de nos devolver o seu espontâneo sorriso...
espaços enormes a aguardar o cimento...
Pelas 3 da tarde havíamos programado rumar de autocarro até à cidadezinha a norte - Taghazute. Dois autocarros passaram e não pararam... talvez repletos...
Meti-me a caminho... afinal 4 km ajudaria a regular os meus colesteróis... os meus Amigos desistiram...
Já eu lá estava há um bom quarto de hora e ei-los que chegam... de autocarro, claro...
Não perdi nada... pelo contrário, deu para passar na praia da terra e aí chegado... um vento desordenado levantou inúmeras núvens poeirentas... 
Se há coisas que ainda hoje me 'chocam', uma delas é 'o lixo'... a outra... são as poeiras frequentes em dias de vento pois não existindo passeios nem ruas atapetadas... acontece...
lá mesmo ao fundo... fica o 'nosso bairro'... uns 4 kms...
O 'centro' de Taghazute
Regressamos de autocarro. Ao entrar as pessoas acotovelam-se para conseguir o lugar... um grupo de jovens aproveita a confusão da entrada para forçar a porta traseira do autocarro e entrar... evitando o pagamento...
Algém alerta o condutor... e... esteve seguramente um quarto de hora a pedir os bilhetes, tarefa difícil já que eles passavam um bilhete entre eles... dificultando o trabalho do motorista... O bilhete para os 4 Km até ao Km 17 (onde saímos) custou 5 Dir. ( € 050 )!
Já com o sol no ocaso, haveríamos de reunir a vizinhança para a foto de grupo pois amanhã poderemos não voltar caso encontremos 'poiso' em Agadir.
E mais um final de dia já sem vento e com a habitual beleza.
não fora o rolar das ondas... a tranquilidade seria absoluta...
e a Lua lá estava
Amanhã outro dia de sol surgirá.
Dia 20 - 3mar2014 - 2ª. feira
TAGHAZOUTE / TAMRHAKH - AGADIR
Manhã cêdo, chega o 1º. fornecedor de água.
Encher o depósito da AC e os garrafões dos 'vizinhos'... custa 20 Dir... (€ 2,00)!
Avancei em direção ao ''Marjane'' (hipermercado) de Agadir.
Os meus parceiros ficaram a aguardar a entrega da 'botija' de propano que foi para carregamento.
Após o reabastecimento de combustível (1lt/0,903) a € 0,90!... e também de géneros alimentícios, aguardei pela abertura do Banco no 'Marjan' para cambiar mais € 200,00 ( 2.190,62 Dir.).
estes 'bichos' seduzem-me...
Um 4x4 com AC acoplada e amovível
A tradicional 'voltinha' nas inúmeras AC que descem ou sobem Àfrica... cada uma a mais interessante, não tanto pelos comodismos, mas sim pela singularidade de aproveitamento de viaturas em fim de vida...
Duas 'caranguejolas'...
No início da tarde, fui ao bonito e confortável apartamento de um dos Amigos Franceses (Sérge) que comigo partilharam as viagens à Casamansa e Guiné.
São já 3 os casais Amigos que optaram por comprar casa em Marrocos onde passam 6 meses no inverno.
Entretanto chegaram a Agadir os meus Amigos de viagem, tendo decidido estacionar ao pé de um _P_ já repleto de AC ( Aqui: N 30º 25' 00.7'' W 009º 35' 51.7'', estacionados na rua defronte do pequeno estacionamento avançamos para a marginal de Agadir.
O dia que termina de novo, desta vez em Agadir
Agadir - um pouco de história
A história de Agadir está muito marcada pelo ano de 1960, data na qual um terrível terramoto deixou a cidade desolada, e o ano em que o Rei Hassan se virou para a cidade de Agadir para o seu ressurgimento dos escombros.
Depois da reconstrução dos anos 60, Agadir converteu-se num ponto de referência do país, o seu sol, as suas praias e possibilidades fizeram o resto para que se convertera no que é hoje, um destino turístico preferencial em Marrocos, uma cidade onde a pesca e a agricultura têm uma grande importância na economia, e onde se destaca a modernidade da cidade, muito ocidentalizada, dinâmica e buliçosa.
já o dia tombava...
Mas antes deste terramoto Agadir viu passar perante si diversos e interessantes episódios da história. Os habitantes originários destas terras foram os bereberes, quem desde o século XII sofreram a invasao dos fenícios,dos cartagineses, dos romanos, dos vandalos e dos bizantinos, assim como dos portugueses, espanhois e franceses nas épocas mais actuais, mas todas estas invasoes nao conseguiram com que hoje em dia o berebere seja uma lingua muito falada nestas terras.
O sol não esperou pela nossa chegada à marginal...
Em 1500 foram os portugueses os que fundaram esta cidade, foram momentos de prosperidade debaixo do comando português, posteriormente, em príncipios de século XX, Agadir quase se converteu no local de inicio da Primeira Guerra Mundial, depois da crise de Agadir, originada pelos franceses e alemaes depois da povoaçao destes últimos.

Marrocos sempre tem estado históricamente denominada por países europeus, pelo menos em parte, portugueses, alemães, franceses, espanhois, no século XX a situçao ficou muito tensa por causa das guerras coloniais das chamadas potências europeias, umas guerras que terminaram com a independência de Agadir e dos seus colonialistas, e passou a formar parte, em 1956, da Soberania de Marrocos.
praia preparada para a chegada no dia seguinte dos veraneantes...
não são horas de banho, mas muita gente passeia-se no areal...
Não estamos na 'época alta'... mas... é como se fosse...

Espantados por constatar que uma boas dúzias de AC estavam estacionadas para pernoita num _P_ mesmo ao pé do passeio da praia... 
Segundo soubemos, quando o Rei habita o Palácio de Agadir, a Polícia afasta toda esta gente do local, e mesmo agora, tal pode acontecer durante a noite... 
as placas estão lá... os 'gardiens' cobram € 4,00... mas...
Com 'wc' no _P_ e em local super central... é um local cativante... mas não arriscamos...
Quando regressamos, foi-nos dito que no local onde havíamos estacionado não seria garantido que a Polícia nos viesse incomodar, por isso, após o jantar, rumamos a um outro estacionamento onde o 'guarda' nos disse que seria calmo e seguro passar a noite (20 Dir.).
_P_ N 30º 24' 52.6´´ - W 009º 35' 50.7''
Percorridos: 2.222 Km ( Dia 42 Km)
Enviar um comentário