De Autocaravana, tenho vindo a viajar ''cá dentro'' e pela Europa... para lá do Círculo Polar Àrtico - até ao Cabo Norte, onde vivenciei o ''Sol da Meia-Noite''.
Viajei em Autocaravana pelo Norte de Àfrica... (mais de uma vez), muito para lá do Trópico de Cancer... até à Guiné-Bissau.
Fui também por estrada à Àsia - Turquia e Capadócia, sendo que no regresso fiz a Croácia e dei um saltinho a Mostar e Saraevo na Bósnia-Herzegovina.
Sem pretensiosismo literário ou outros, apenas pela PARTILHA, dessas e outras viagens vou dando conta neste espaço.

Países visitados em Autocaravana: - EUROPA: ESPANHA – ANDORRA -FRANÇA-ITÁLIA-MÓNACO- REINO UNIDO - IRLANDA -HUNGRIA-REP.CHECA-SUÉCIA-ESLOVÉNIA - ESLOVÁQUIA- POLÓNIA-AUSTRIA-SUIÇA-ALEMANHA-BÉLGICA-HOLANDA-DINAMARCA-NORUEGA-FINLÂNDIA-ESTÓNIA-LETÓNIA-LITUÂNIA-BULGARIA - BÓSNIA HERZGOVINA- ROMÉNIA -GRÉCIA – CROÁCIA – LIENCHSTEIN – LUXEMBURGO – S.MARINO - VATICANO ÀSIA : -TURQUIA-CAPADÓCIA ÀFRICA: GUINÉ-BISSAU – CASAMANÇA – GÂMBIA – SENEGAL – MAURITÂNIA – SAHARA - MARROCOS

Outras viagens:RÚSSIA (Moscovo e S. Petesburgo) -AMÉRICA do NORTE:CANADÁ (Quebec-Ontário-Montreal-Otawa-Niagara falls) - EUA(Boston-Nova Iorque-Cap Kenedy-Orlando - Miami)AMÉRICA CENTRAL:CUBA (Havana - S. Tiago de Cuba - Trinidad - Cienfuegos - Varadero)- ÀSIA :CHINA (Macau-Hong Kong) - VIETNAM(Hanói-Danang-Ho Chi Min) -

quarta-feira, maio 06, 2015

Sol que brilha e aquece - I

Arco de Baúlhe
Dia 1 de viagem - 6mai15 - 4ª. feira
BRAGA - CABECEIRAS DE BASTO
Era suposto ter saído já ontem pois a meteorologia mostrou nova viragem.
Há dois dias que a 50 mts da minha casa tombaram várias árvores de grande porte tendo uma delas colhido um jovem pai de dois filhos, que não resistiu e acabou por falecer.
A chuva, vento e trovoadas me parece terem abalado por uns dias.
Aproveitei parte de hoje para almoçar com a família e já me apronto para rumar a nascente, quer na ida quer na vinda, a pretender visitar pequenas terras transmontanas e uma aldeia 'encravada' na zona raiana do outro lado, já na província de Salamanca de nome Aldeiadávila da Ribera aldeia esta que dispõe de Àrea de serviço para Autocaravanas.
Como a saída tarda, não vou poder pernoitar esta noite em Valpaços, conforme previa.
Hoje, ficarei na Vila de Cabeceiras de Basto optando pelo sinuoso percurso via Póvoa de Lanhoso mesmo se o 'google' me apresenta 3 alternativas.
Mosteiro de S. Miguel de Refojos - foto de AQUI  
Cabeceiras de Basto é uma vila do Distrito de Braga com 4.600 habitantes - Sede de Município com cerca de 17.000 habitantes composto de 12 freguesias.
Cabeceiras de Basto é uma bonita vila do Norte do País, sede de concelho, situada num vale rodeado por várias serras e abundantes cursos de água, numa zona de grande beleza natural. 
A vila está situada numa região muitas vezes conhecida por “terras de Basto”, cujo nome estará ligado ao Guerreiro Lusitano "Basto", figura lendária que ficou célebre nas lutas de resistência às invasões dos Mouros, muito representado em estátuas graníticas de época anterior à de ocupação romana. Esta região terá sido um refugio das invasões mouras. 
De facto, esta é uma região com povoamento humano em épocas já anteriores a Cristo, com alguns vestígios castrenses e megalíticos. 
Durante a Idade Média, Cabeceiras de Basto foi um importante centro de peregrinação. 
A natureza desta região situada entre o verde luxuriante do Minho e a aridez serrana de Trás-os-Montes, é generosa, num local onde a tradição se tem mantido praticamente imaculada. Cabeceiras de Basto reúne, pois, inúmeras condições para a prática das mais variadas actividades, com uma crescente feição turística de qualidade.
Na Serra da Cabreira, tem-se um panorama magnífico, com diversas espécies de fauna e flora, como se pode testemunhar num dos vários miradouros disponíveis, ou desfrutar num dos vários parques de merenda espalhados pela serra, como nas áreas de lazer de Moinhos de Rei ou Vinha de Mouros.
Por todo o concelho encontram-se diversas Casas Senhoriais, mostrando o valor destas terras ao longo dos séculos, como é o exemplo das Casas da Breia, do Casal e do Forno, em Basto, a casa da Torre, em Alvite, ou a Casa da Portela no Arco de Baúlhe, entre tantas outras, testemunhos de um tão importante património. 

De destacar é também o Mosteiro de S. Miguel de Refojos, a Ponte de Cavez ou o local pré-histórico de Lameiras Chãs, com diversos vestígios de ocupação antiga. 
A estátua do “Basto”, na Praça da República, em Refojos, sede do Concelho de Cabeceiras de Basto é um dos monumentos mais curiosos do Concelho. Representa um guerreiro lusitano e é uma das várias estátuas jacentes que apareceram na Galiza e eram colocadas sobre as sepulturas de alguns desses guerreiros heróis e endeusados.
As que existem estão guardadas em museus, à excepção do “Basto” e da estátua de Santa Comba, também na freguesia de Refojos, que se encontram ao ar livre. Estes monumentos datam da época anterior à vinda dos Romanos, presumivelmente do século I a. C.
Talhada em granito, de arte rude e forte compleição física, à semelhança de todas as outras, veste túnica ou sagum, cingida por cinturão de onde pendem embainhados o punhal e a espada. O escudo, pequeno e redondo, é centrado no abdómen.
A estátua do “Basto” não se encontra hoje como foi primitivamente. Foi modificada, primeiro em 1612 e posteriormente em 1892. Acrescentaram-lhe uma cabeça com barretina e fartos bigodes (era uma estátua acéfala como a maior parte das existentes), calçaram-na com meias e botas, pintaram-na e no peito e no escudo gravaram-lhe uma legenda: "PONTE DE S. MIGUEL DE REFOYOS 1612".
Actualmente “O Basto” perdeu muito da sua simbologia primitiva, personificando a “raça” das gentes da região, a sua alma e as suas tradições. É nele que os habitantes de Cabeceiras revêem a sua coragem e a sua honradez. Daí o nascimento de uma lenda que, na actualidade, lhe está indelevelmente ligada e com a qual o povo “explica” o nome da região.
Percorridos: 58 Km
_P_ - N 41º 30' 51.2''   W 007º 59' 19.5''  - Wifi free - Nosso Café ( na AC )
Dia 2 de viagem - 7mai15 - 5ª. feira
CABECEIRAS DE BASTO - ARCO DE BAÚLHE - RIBEIRA DE PENA - VILA POUCA DE AGUIAR
O concelho de Cabeceiras de Basto possui vários elementos de importante valor arquitectónico e cultural e reúne um conjunto de monumentos com interesse turístico. 
Algum do espólio edificado encontra-se classificado como Monumento Nacional, Imóvel de Interesse Público e Imóveis de Interesse Municipal. 
É o caso da Ponte de Cavez sobre o rio Tâmega (Monumento Nacional), da Igreja e Sacristia do Convento de Refojos e o Tecto da sala aproveitada como sala de audiências do Tribunal da Comarca (Imóvel de Interesse Público), do Pelourinho de Cabeceiras de Basto em Refojos (Imóvel de Interesse Público), da estátua do Basto em Refojos, do Pelourinho do Antigo Couto de Abadim (Imóvel de Interesse Público), da Casa da Breia, em Basto (Imóvel de Interesse Público), da Ponte Antiga sobre o rio Moimenta, em Cavez (Imóvel de Interesse Público) e da Ponte do Arco de Baúlhe (Imóvel de Interesse Municipal).
Uma das vantagens de se viajar em autocaravana, está forçosamente na liberdade de se ir traçando a viagem de forma espontânea, e mesmo quando se tem um programa de viagem pré-definido, acaba-se por o alterar.
Depois de uma noite sossegada, haveria de da parte da manhã encetar uma breve visita a tão simpática terra.
Iniciamos a visita pela Igreja barroca do Mosteiro de Refojos.
Os altares laterais estão em restauro, ou não estivesse previsto em junho próximo a candidatura a Património Mundial.
O Mosteiro é ocupado em parte por escola privada e pela Câmara Municipal.



Resquícios da Páscoa!
Restauro de qualidade duvidosa?
Um 'cálice' e pêras...
Acho este Cristo feiinho... Ou não será?

A deslavada placa do Museu do Mosteiro
 Efetuada a visita à Igreja do Convento, procurei a entrada do Museu do Mosteiro.
Num deslavado painel ao lado da igreja, li que teria de me encaminhar para a porta ao lado, onde funciona a Polícia Municipal.
Aí chegado, foi contactada a responsável camarária pelas visitas a Dra Manuela Martins, natural de Bucos que entretanto chegou sorridente.
A antiga Sacristia... Uma Jóia! Deslumbrante.
A troco da visita, a hospitalidade da terra fez-se sentir e foram-me franqueados os acessos a parte do acerbo do Museu.
Com grande disponibilidade, simpatia e naturalidade mesmo se apenas um visitante se lhe dirigia.
Uma das 'Raínhas da Coroa' do Museu

O 'pátio' hoje utilizado pelos estudantes do Colégio Privado
 Seguiu-se a Sala da Democracia - onde reúnem os Autarcas Concelhios.
A simpática 'guia' a Dra Manuela Martins fez as honras da casa.

 Encaminhou-nos a 'guia' para a Casa do Tempo que visitamos.

Memórias de passado longínquo
A típica cozinha minhota de outros tempos

Ainda haverá quem se recorde?



 Uma manhã enriquecedora e agradável, passada em Cabeceiras de Basto.
''O Basto''

Para o meu 'Gosto' - Muito Belo!
Como os dias são mais crescidos, após o almoço e o café energético  no 'O Nosso Café', prossegui desta feita em direção à próxima Arco de Baúlhe, com a finalidade de visitar o núcleo museológico do caminho de ferro da desativada linha do Tua.
 A Vila de Arco de Baúlhe é uma terra muito antiga e bem conhecida dos viajantes do norte do país, que ao longo dos séculos, a cruzavam na antiga 'estrada real' em direção às estâncias termais de Pedras Salgadas e Vidago, ou ainda para passar para Espanha pela fronteira de Chaves.
Nos tempos que correm, perdeu muito da sua importância com a recentemente aberta Auto Estrada (A7).
A via férrea deixou de funcionar há mais de uma vintena de anos e a autarquia herdou a antiga estação e algumas das composições, criando um pequeno espaço museológico.
Entretanto, o espaço onde os combóios circulavam, foi transformado numa Eco Via que liga Amarante ao Arco de Baúlhe. 
O Núcleo Museológico de Arco de Baúlhe está inserido no Museu das Terras de Basto, concelho de Cabeceiras de Basto. Ocupa o antigo edifício destinado ao parqueamento de material circulante daquela que foi a estação terminal da Linha do Tâmega.

A ME5 construida em Portugal em 1948 ainda funciona.







a AUTOMOTORA de origem Portuguesa - ainda funciona - faz 20 mts da linha existente!...

2 Carruagens Reais - Rei D. Carlos e Raínha D. Amélia
Aqui fica um pequeno vídeo noticioso quando se previa o fim da linha.

Ainda é tempo de fazer mais alguns km's.
Passagem da Ponte de Cavês sobre o Rio Tâmega.
Ponte de Cavês

Ficará para nova passagem a visita de Ribeira de Pena, onde passamos lá no alto.

Ribeira de Pêna - a revisitar numa próxima passagem.
No final da tarde, chegada a Vila Pouca de Aguiar.
Estacionamos próximo de habitações para poder mais facilmente aceder à net.
Instalada a antena amplificadora, haveria de 'rapinar' a palavra passe a um local, para atualizar o blog e 'navegar' um pouco.
Ribeira de Pena - local escolhido para pernoitar
Percorridos: 112 Km (Dia 54 km)
Gps: N 41º 29' 56.4''  W 007º 38' 48.2''
Dia 3 de viagem - 8mai15 - 6ª. feira
VILA POUCA DE AGUIAR - BRAGANÇA

Enviar um comentário