De Autocaravana, tenho vindo a viajar ''cá dentro'' e pela Europa... para lá do Círculo Polar Àrtico - até ao Cabo Norte, onde vivenciei o ''Sol da Meia-Noite''.
Viajei em Autocaravana pelo Norte de Àfrica... (mais de uma vez), muito para lá do Trópico de Cancer... até à Guiné-Bissau.
Fui também por estrada à Àsia - Turquia e Capadócia, sendo que no regresso fiz a Croácia e dei um saltinho a Mostar e Saraevo na Bósnia-Herzegovina.
Sem pretensiosismo literário ou outros, apenas pela PARTILHA, dessas e outras viagens vou dando conta neste espaço.

Países visitados em Autocaravana: - EUROPA: ESPANHA – ANDORRA -FRANÇA-ITÁLIA-MÓNACO- REINO UNIDO - IRLANDA -HUNGRIA-REP.CHECA-SUÉCIA-ESLOVÉNIA - ESLOVÁQUIA- POLÓNIA-AUSTRIA-SUIÇA-ALEMANHA-BÉLGICA-HOLANDA-DINAMARCA-NORUEGA-FINLÂNDIA-ESTÓNIA-LETÓNIA-LITUÂNIA-BULGARIA - BÓSNIA HERZGOVINA- ROMÉNIA -GRÉCIA – CROÁCIA – LIENCHSTEIN – LUXEMBURGO – S.MARINO - VATICANO ÀSIA : -TURQUIA-CAPADÓCIA ÀFRICA: GUINÉ-BISSAU – CASAMANÇA – GÂMBIA – SENEGAL – MAURITÂNIA – SAHARA - MARROCOS

Outras viagens:RÚSSIA (Moscovo e S. Petesburgo) -AMÉRICA do NORTE:CANADÁ (Quebec-Ontário-Montreal-Otawa-Niagara falls) - EUA(Boston-Nova Iorque-Cap Kenedy-Orlando - Miami)AMÉRICA CENTRAL:CUBA (Havana - S. Tiago de Cuba - Trinidad - Cienfuegos - Varadero)- ÀSIA :CHINA (Macau-Hong Kong) - VIETNAM(Hanói-Danang-Ho Chi Min) -

domingo, setembro 09, 2012

Rumo à Floríade - Holanda - Dias 2 a 9 de viagem

Catedral de Reims - França
Dia 2 – 2SET12 - Domingo
MAGAZ – VITÓRIA –IRÚN (ESP) – HENDAYE (FR) -  Le Col d’Ibardin - ANGLET
A noite foi de uma acalmia total. Pela manhã o despertador? Uma ‘’poupa’’ deu o sinal.
Práticamente fez-se toda  a viagem por auto-estrada. O vento frio surgiu pela manhã.
À aproximação de Vitória saímos ao anúncio do centro da cidade e percorremos via rápida em direcção ao camping por sabermos que existe Estação de Combustível (automática) com os combustíveis com desconto de 10 cts. . 
Mesmo se nos painéis anunciam o preço de tabela (€ 1,459), o preço praticado é de € 1,359 (à saída em PT era de € 1,55!).

Em Valladolid havia utilizado Diesel a € 1,462…
Para quem pretenda ao passar por Vitória,  utilizar esta ES, fica aqui: N 42º 49’ 46.3’’ / W 002º 43’ 21.5’’.
Havia que almoçar, nada melhor que apontar para a AS de Vitória.



Aí ainda tempo para trocar dicas de viagem com AC Francês.
Le col d'Ibardin
Sugeriu a pernoita num local que não conhecia, e para lá apontei o Gps, mesmo se está bem sinalizado logo após a fronteira. 
_P_ para AC gratuito
Não dista muito do litoral e o acesso é feito por estrada sinuosa e sendo Domingo, imensamente utilizada.
O diesel lá no alto... a € 1,35!... Boa!...
Lá no alto de ‘’Le col d’Ibardin’’,uma magnífica paisagem e uma vista panorâmica sobre a costa de Biarritz e ainda,  surpresa das surpresas… fica no lado espanhol da antiga fronteira, um bom _P_ para AC onde é possível a pernoita… uma dúzia de lojas com preços competitivos e… mesmo lá no alto… uma estação de serviço ‘’Avia’’ com o Diesel a € 1,35!!! (menos € 0,20 que em Pt).
Feita a visita e ‘’umas comprinhas’’… decidimos continuar viagem.

Bearritz lá ao fundo...


um local de eleição para pernoita
Não arriscamos andar muito pois num Domingo ainda por cima fim de férias para muitos, as filas de trânsito demoveram a nossa intenção pelo que apontamos para uma das AS de Anglet próxima da foz e porto fluvial onde já estavam umas dezenas de vizinhos.
AS para AC - Anglet ''La Barre''
AS ANGLET ‘’La Barre’’ – N 43º 31’ 35.6’’  W 001º 31’ 02.0’’ (Paga em Julho/Agosto)
Percorridos: 836 Km (Dia 392 Km)
Local: N 43º 31’ 35.6’’ – W 001º 31’ 02.0’’
Dia 3 – 3SET12 – 2ª. Feira
ANGLET – BORDÉUS –– Montguyon (AS)-Angouleme -  POITIERS– MONTBAZON (AS)
Noite calma. Após o despertar, na saída da AS havia que tratar das tarefas de abastecimento de água potável e dos despejos.
Com a casa arrumada, um retomar de viagem que por apenas utilizarmos as AE sem portagens se torna mais cansativa.
Uma manhã algo fresca com o céu semi-encoberto de nuvens que tornaram a viagem mais aceitável, sendo que a parte pior, é sempre o circundar da região de Bordéus com os constantes ‘’bouchons’’.
À hora de almoço, indagamos a base de dados do Gps que ‘’de pronto’’ nos indicou uma AS numa pequena cidade, a escassos 3 km da AE.
Almoço na AS para AC de Montguyon - 5*
Montguyon – AS N 45º 18’ 08.1’’ W 000º 13’ 55.5’’
Deparamos com um parque arborizado, devidamente equipado com 24 acessos de electricidade grátis. Aproveitamos para durante a curta paragem, carregar máquinas fotográficas. Uma AS que mais parece um oásis ao lado da movimentada AE.
Mesmo sendo um local aprazível, fomos os únicos utilizadores, e de passagem, pelo que prosseguimos.
a passagem no Futuroscope de Poitiers
Futuroscope - já visitado 2 vezes
Uma viagem que não fez história, e ainda bem, tal o infernal tráfego por onde circulamos obrigando a uma atenção constante.
já próximo
o balão...
Como já não nos recordávamos do local onde pernoitamos há já cinco anos atrás em Tours, ficamo-nos por uma pequena localidade que dista uns 12 km de Tours.
Montbazon
Montbazon

Montbazon
Montbazon
Escolhemos assim, Montbazon – AS N 47º 17’ 30.0’’ W 000º 43’ 12.2’’ (Dista 12 Km de Tours).


Montbazon

Montbazon

Montbazon




Uma pequena AS onde já estavam 3 compinchas. A volta pedestre de reconhecimento, e o descanso merecido.
AS N 47º 17’ 30.0’’ W 000º 43’ 12.2’’
Percorridos: 1.353 km (Dia 517 Km)
Dia 4 – 4SET12 – 3ª. Feira
MONTBAZON (AS) – TOURS – ORLÉANS – ÉTAMPES – PARIS – SOISSONS –REIMS
De novo nos fizemos à Estrada. Um dia agradável mesmo se algo ventoso.
Rua de Reims
A parte mais difícil da viagem, claro, a ‘’periférica de Paris’’, onde até deu tempo para que um ou outro compatriota, de janela a janela nos dirigisse um ou outro piropo de ‘’boas vindas’’…
será que já estou na Holanda? Nã... ainda falta...
Em todos os percursos notamos que os camiões TIR portugueses se destacam fortemente… não há estrada onde não nos cruzemos com eles.
Uma vez mais, um dia de poucos eventos pois o cansaço nos vai afligindo, mais pela constante atenção ao complicado trânsito, é que passar de tempos a tempos por viaturas acidentadas e continuarmos sem uma beliscadela… dá muita trabalheira…
estacionamos na barreira... e procuramos onde obter o código...
Reims
Reims
Havíamos pensado à saída ir ficar ao Luxemburgo, mas, não deu… optamos por nos dirigir para a bonita cidade de REIMS onde para aceder à AS, estacionamos na barreira automática de um espaço fechado e nos dirigimos à recepção de um organismo público para pedir a senha de acesso. 
muita juventude nalguns bares após o trabalho

Valeu termos lido previamente no Guia Michelin de ‘’tours’’ para AC.
Não sendo um espaço grande, por sorte, ainda deu para entrarmos pois logo após quem chegou teve de procurar outro espaço…



Catedral de Reims





Reims




uma fachada peculiar
O centro citadino fica do outro lado do rio, muito fácil aceder a pé a todo o simpático centro histórico, onde a Catedral majestosa se situa.
Percorridos: 1.780 Km (Dia 427 Km)
AS de Reims: N 49º 14’ 57.4’’  E 004º 01’ 19.7’’
Dia 5 – 5.SET.12 – 4ª. Feira
REIMS – Cherleville_Mézières – Sedan (FR) – FLORENVILLE (B) – ARLON (B)  – LUXEMBURGO
Previa obviamente uma viagem curta e suave.
Amanheceu com o céu repleto de densa neblina.
Os primeiros 100 km decorreram numa óptima ‘’via rápida’’, seguindo-se depois uma estrada nacional Belga por percurso de densa floresta intercalada por verdes campos.

para comparar com as de outras visitas...


O Banco do Luxemburgo, claro.




A parte final, até ao centro da cidade do Luxemburgo, de novo por via rápida.
À chegada ainda tentamos _P_ referido no Gps a 1,5km do centro, contudo preferimos optar pelo Camping até porque as barreiras de altura impediam-nos o acesso. Outros locais idênticos existem, mas, sabendo que o Camping era uma boa opção, para lá seguimos.
Antes porém, abastecemos de Diesel, com o combustível a € 1,32 o que não me surpreende pois sabia ser o mais barato a seguir a Andorra.




A chegada ao camping à hora de almoço, serviu para o efeito.
Já conhecia o local onde fiquei há uns 7 anos e recomendo vivamente pois tem umas óptimas condições. Nas casas de banho ouve-se boa música e excluindo o custo de electricidade fica-se por € 4,00/pax + € 5,00 a AC , ou seja, € 13,00 o casal e AC.
Dando um compasso de espera de uma meia hora para que a nuvem que foi largando alguma chuva passasse, adquirimos  bilhete de ida e volta para o centro citadino que dista uns 5 Km, custou-nos o mesmo € 3,00/pax.

uma boa medida... o espaço de 1 automóvel, dá para 10 bicicletas...

A cidade, já visitada noutras passagens, continua a ser uma cidade de muito comércio de lojas de marca com preços condizentes ao Grande-Ducado, não sendo pois uma cidade nem um País ‘’de eleição’’.


Homem-árvore, sempre em movimento... lindo!
O regresso ao Camping na hora de saída dos empregos, muita gente jovem com ar de executivos mas sem gravata (talvez fiquem nas gavetas).
Desta vez não se fizeram notar os nossos compatriotas Portugueses como noutras épocas, sabendo nós que a comunidade Portuguesa é a que mais peso tem.


Uma boa etapa que nos permitiu o descanso da ‘’estopada’’ – travessia de Espanha e França.
Percorridos:  2.002 Km (Dia 222 Km)
Camping Kockelscheuer (Route de Bettembourg) – Gps N 49.572208 E 6.108570.
Dia 6 – 6.SET.12 – 5ª. Feira
LUXEMBURGO  (LUX) – TRIER (D)
Manhã de sol radioso embora fresco.
A visita ao supermercado onde na pastelaria uma jovem de ‘’ar’’ agradável sorria e nos respondeu em Português (por ver o escudo que levava no colete de safari)… perguntei-lhe se ia à chegada da seleção Portuguesa que dentro de duas horas aterrava ali próximo… sorriu de novo, dizendo que queria lá saber do Cristiano Ronaldo… tinha de trabalhar… não havia tempo para essas coisas…
à chegada... no semáforo...
Avançamos para a curta viagem sempre por auto-estrada. À saída do Luxemburgo, a poucos metros da fronteira, uma mega estação de serviço onde todo o tipo de viaturas abastecia (o gasóleo a € 1,32 idêntico a todas as estações de serviço).
Uma dúzia de Km volvidos e eis-nos na cidade Alemã escolhida para visita – TRIER -.
Fomos directamente à AS para AC mais próxima do centro, ou seja, a uns 4 km.
Um espaço enorme junto ao Rio Mosel bem ordenado e melhor computorizado pois retirado o ‘’cartão de acesso’’, num terminal ‘’carregamos o montante previsto da estadia’’ e com esse cartão o saldo vai saindo com eventuais utilizações (wc € 0,40… duche 3 min. € 1,00… etc…) sendo que o custo da estadia, sem extras, é de € 7,00.
O almoço ‘’a bordo’’, e de seguida, pelas 13h. de Portugal, de  sandálias, calção, chapéu e máquina fotográfica decidimos avançar a pé pelas pistas que ladeiam o rio até ao centro.
O Rio Mosel, afluente do Reno
Trier é uma das cidades mais antigas da Alemanha.
Fundada em 16 a. C. como Augusta Treverorum, supostamente pelo próprio imperador Augusto. Nos Séc. III e IV, foi a residência  imperial e a capital da província de Bélgica prima.
No séc. V, a cidade, agora com 99.000 hab., foi conquistada e destruída por tribos germânicas. Trier nunca recuperou a sua importância – no séc. XVII tinha uns meros 3600 hab. e um século mais tarde ainda eram pouco mais de 4000. A cidade, terra natal de Karl Marx, tem um rico património arquitectónico.
ponte romana - património da humanidade









condomínio com suporte para bicicletas à porta
o heli-porto do hospital
Iniciamos a visita com a passagem sob a ‘’Porta Negra’’ – Esta porta da cidade, que se chamava Porta Nigra na Idade Média devido à cor da pedra erodida,  foi construída no séc. III.
Trata-se da estrutura defensiva mais antiga da Alemanha que ainda hoje impressiona com as suas dimensões colossais: 36 mts comprimento, 21,5 mts de largura e 30 mts de altura.





modernices...

Hauptmarkt




Passamos à - Hauptmarkt – A principal praça de mercado de Trier, uma das mais bonitas do país, remonta ao séc. X.

A Marktkreuz (cruz do mercado) construída por volta da mesma altura simboliza o direito de a cidade realizar mercados.
Hoje, uma réplica da cruz original encima uma coluna romana granítica, com um relevo do Cordeiro de Deus.
No lado sudeste da praça fica a – Petrusbrunnen – (fonte de S. Pedro), de 1595, com as esculturas de S. Pedro e das Quatro Virtudes.




Aula Palatina
Mais adiante surge a AULA PALATINA (Sala do Platinado) data de 310 d. C.. Este edifício em tijolo de forma rectangular, com 67 mts de comp., 27,5mts de largura e 30 mts de altura e com uma basta abside semicircular, servui de sala de trono do imperador romano ou do seu representante. Após o saque da cidade pelas tribos germânicas , ficou reduzido a escombros. No Séc. XII, a abside foi transformada numa torre para acomodar o arcebispo. No séc. XVII, a Aula Palatina foi integrada no palácio recém-construído e a sua parede leste foi parcialmente demolida. Durante os tempos napoleónicos e prussianos, a sala serviu de quartel do exército. O rei prussiano Friedrick Wilhelm IV acabou por ordenar a sua reconstrução. Desde 1856 que serve de igreja protestante de São Salvador. Restaurada após os bombardeamentos de 1944 as suas dimensões gigantescas ainda hoje impressionam.





























Petrusbrunnen – (fonte de S. Pedro), de 1595

a fonte de S. Pedro







A visita terminou com a passagem em torno do complexo das KAISERTHERMEN (banhos imperiais), construídos no início do séc. IV, durante o reinado de Constantino, eram o terceiro maior complexo do género do mundo romano.




mais um heli-porto noutro hospital
O regresso pedestre que durou 5 horas… significando que terão sido percorridos uns 15 km… uff… mesa e cadeiras no exterior… o refrescar com a apetecível ‘’biére Luxemburguesa’’ , com acepipes trazidos de Espanha…
Finalmente um dia de visita a uma cidade bonita e agradável.
os corvos... poisavam nos cabos elétricos, apreciando o que se passava em baixo...
AS para AC anexa ao Camping TREVIRIS – N 49º 44’ 26.8’’  E 006º 37’ 30.0’’
Percorridos: 2.064 Km ( Dia 62 Km)
 Dia 7 – 7.SET.12 – 6ª. feira
TRIER (D) – KÖLN – (Colónia) (D)
Saímos às 9 da manhã com um belo dia.
Praticamente todo o percurso foi feito por estradas nacionais  ora com uma ou duas vias sempre com velocidades entre os 80 e 110 Km/h..
Muitas florestas alternadas por imensos campos.
Às 11 da manhã entravamos em Colónia, passando na marginal do Reno, bem perto do centro histórico. Continuamos sempre junto ao rio até que num ligeiro desvio surge a AS para AC.
Um local próximo do rio mas pequeno pois apenas cabem umas 30 AC e à hora de chegada, restava o local onde aparcamos.
A exemplo do que fizemos ontem, após o almoço, metemos os pés ao caminho mesmo se havia ‘’elétricos de superfície’’ próximo.
A AS dista 4 kms do centro histórico e a pé nada complicado, apenas seguir sempre na margem do Reno.
KÖLN (Colónia) – Atualmente com mais de um milhão de habitantes, foi fundada pelos Romanos como Colonia Claudia Ara Agrippinensum, é uma das cidades mais antigas do país. A cidade passou a ser governada pelos Francos a partir do séc. V e Carlos Magno elevou-a a arcebispado.
Colónia permaneceu um centro eclesiástico poderoso – tem 12 igrejas românicas e uma famosa catedral gótica.
uma casa xpto - sala panorâmica no 1º piso, quartos na torre...
A visita primeira tinha de ser à Catedral, obviamente.
a ''gare'' ao lado da Catedral
A estrutura gótica mais famosa da Alemanha é também invulgarmente complexa quanto ao seu esplendor, ao seu tamanho e até mesmo à data da sua construção.
A primeira pedra foi lançada a 15 de agosto de 1248 e o presbitério foi consagrado em 1322.

A catedral foi construída por fases até cerca de 1520, tendo permanecido inacabada até ao séc. XIX, quando os Românticos se interessaram por ela.
O edifício foi finalmente concluído entre 1842 e 1880, segundo projectos góticos originais redescobertos.
 

em redor da catedral, há de tudo...
* altar dos reis magos – Este esplêndido altar (c. 1445), obra de Stephan Lochner, é dedicado aos Reis Magos – os santos padroeiros de Colónia;
* relicário dos Três Reis – enorme relicário românico foi feito por Kikolaus Von Verdum
Entre 1190 e 1220 para guardar as relíquias dos Três Reis, trazidas para Colónia pelo Imperador Frederico I, Barba-Roxa em 1164,



*(o presbitério, o ambulatório e as capelas conservam muitos vitrais góticos, principalmente do início do séc. XIV.) 














Vagueamos pelas inúmeras ruas pedonais repletas de lojas e centros comerciais.
Sabendo que as igrejas abundam, visitamos apenas duas… a ‘’simplória’’ Antoniterkirche e a Grob St Martin.














vi muita gente ''de bom aspeto'' procurando ''coisas'' no lixo... é isto a Alemanha???
antes de regressar sentamo-nos próximo da ponte... vimos algo que reluzia com o sol...
lá fui investigar... eram centenas e centenas senão milhares de cadeados ''de amor''... impressionante... ao longo da ponte na rede que separa a linha férrea...








as AC estacionam muito próximo do centro em parques pagos... abrem toldos, colocam mesas, cadeiras... uma alegria...


O regresso fez-se do mesmo modo. Ao todo, uns 12 Km – em 4 horas.
À chegada, mesa e cadeiras ‘’no quintal’’ e o petisco de hoje satisfez: ‘’navalheiras’’ fritas com salsa, azeite e limão… e a fechar uma sopa de legumes, quanto não vale trazer ‘’uma pendura à altura’’.
AS de Koln – Máquina tipo parquímetro -  24 h. = € 8,00 – Gps N 50º 57’ 44.5’’ E 006º 59’ 10.0’’
Percorridos: 2.237 Km ( Dia 173 Km)
Dia 8 – 8.SET.12 – sábado
KOLN (D) - MAASTRICHT (NL)
As despedidas de Colónia e Alemanha que este ano já visitei duas vezes.
O percurso todo feito por auto-estrada, mesmo assim, próximo da fronteira com a Holanda nas redondezas de AACHEN, uma central nuclear… ainda se teima no nuclear… já esquecemos  Hirochima e mais recentemente o que se passou no Japão… até quando?
A chegada a Maastricht aconteceu no meio de um enorme engarrafamento. A periferia da cidade encontrava-se revolta em estaleiros de obras rodoviárias, assim sendo, vimo-nos ‘’gregos’’ para encontrar a AS para AC, e quando lá chegamos, havia sido envolvida pelas obras, restando ainda um enorme parque ao pé do ‘’Mac Donalds’’ que acabamos por preterir por não termos avistado AC.
Decidimos seguir para o Camping ‘’Oriental’’ de 4*, que dista uns 6 km da cidade.
O Camping é óptimo, dispondo mesmo de boa piscina coberta. 
O preço, o habitual para estes países (cerca de € 25,00 com electricidade e música nos Wc…).Após o repasto, a bordo de autocarro lá avançamos para a cidade (€ 5,50/pax ida e volta).
Conhecendo já razoavelmente a Holanda, esperava mais desta cidade que visito pela primeira vez. A parte positiva, a quantidade enorme de esplanadas pequenas e grandes. Talvez por ser sábado alguns monumentos estavam encerrados, e o ‘’turismo’’ embora aberto,  cobra pelas plantas da cidade € 1,50!...
À descoberta de Maastricht.
Maastricht é considerada uma das mais antigas cidades da Holanda – a província onde se situa, fica encravada entre a vizinha Bélgica a poente e a Alemanha a nascente – foi a primeira diocese do país e tem uma fortaleza impressionante. 
Tem alguns monumentos históricos espectaculares, incluindo a Onze-Lieve-Vrouwebasielik (Basílica de Nossa Senhora)românica; a basílica St Servaas românica, com uma cripta muito antiga e um portal entalhado gótico; 6 igrejas góticas, uma igreja barroca, e uma igreja Wallon de 1733. Muitas das fortificações mantêm-se, incluindo as fundações romanas, parte do sistema medieval de muralhas.
sopro sem saxo


imensas esplanadas pejadas de gente
Uma paragem para ‘’descanso’’ numa esplanada onde apreciamos de novo as ‘’bejecas holandesas’’.




















Uma Livraria - Sim era igreja...


O bar da livraria no altar-mor
edifício do turismo

A Câmara Municipal
O regresso ao Camping onde muitas famílias confraternizam, sobretudo ‘’caravanistas’’ que com as suas crianças, passam temporadas nestes  espaços atapetados de verde e viçoso relvado.
Já agora, ainda não consegui explicação para o facto de ver os súbditos holandeses a passear de calções e sandálias de meias calçadas… será que eles me acham caricato por não usar meias?
Camping ‘’Oriental’’ – Rijksweg 6, 6325 PE Berg en Terblijt – www.campingoriental.nl  
Percorridos: 2.362 Km  (Dia 125 Km)
O rio Mosa em Maastricht
Dia 9 - 9.SET.12 - domingo
MAASTRICHT - VENLO
Amanhecer quente e sol radioso.
Os próprios nativos estão surpresos com esta ''canícola''...
Avançamos a meio da manhã por autoestrada já que (não me recordava) as AE na Holanda são gratuitas.
À chegada à zona da Floríade, recordo-me do que me havia dito o Manuel Vitorino que já cá esteve este ano... que mesmo havendo inserido no Gps a AS para AC... andou às voltas para lá chegar... no meu caso, quando vi que cheguei ao local por onde já havia passado, liguei-lhe... e... à distância, chegou a dica milagrosa que me fez chegar a ''porto seguro''. Acresce o facto de trazer ligados 2 Gps com mapas diferentes... e nada... toda a zona foi ''revolucionada por novas vias que não constam ainda dos Gps...


uma ''técnica'' para autocaravanistas atestarem o depósito de água sem que a mangueira ''fuja''... um ''bujão perfurado no local da fechadura''...






no passeio pedestre pela floresta contígua... um parque infantil de se lhe tirar o chapéu








A AS é 5*. Verde relva, bom posto de abastecimento, eletricidade... uns envelopes para preenchermos e após inserir uma nota de € 10,00 enfiar ba caixa de correio ao lado... et voilá... à pois... o meu amigo avisou-me para estacionar pertinho para ter net em força... 
No final do dia muitos partiram (ao todo estariam umas 40 AC) e aproveitamos para caminhar por entre uma floresta próxima onde nuns 500 metros de clareira existia um super parque infantil que era o delírio de meia dúzia de ''putos''... até eles tem tudo na Holanda... não falta nada...
A ''Floríade'' conforme havia programado, fica para amanhã pois não haverá avalanche de gente como hoje constatei ao passar.
Vamos ver se o tempo se mantém, o que duvido.
Percorridos: 2.457 Km ( Dia 95 Km)
Enviar um comentário