De Autocaravana, tenho vindo a viajar ''cá dentro'' e pela Europa... para lá do Círculo Polar Àrtico - até ao Cabo Norte, onde vivenciei o ''Sol da Meia-Noite''.
Viajei em Autocaravana pelo Norte de Àfrica... (mais de uma vez), muito para lá do Trópico de Cancer... até à Guiné-Bissau.
Fui também por estrada à Àsia - Turquia e Capadócia, sendo que no regresso fiz a Croácia e dei um saltinho a Mostar e Saraevo na Bósnia-Herzegovina.
Sem pretensiosismo literário ou outros, apenas pela PARTILHA, dessas e outras viagens vou dando conta neste espaço.

Países visitados em Autocaravana: - EUROPA: ESPANHA – ANDORRA -FRANÇA-ITÁLIA-MÓNACO- REINO UNIDO - IRLANDA -HUNGRIA-REP.CHECA-SUÉCIA-ESLOVÉNIA - ESLOVÁQUIA- POLÓNIA-AUSTRIA-SUIÇA-ALEMANHA-BÉLGICA-HOLANDA-DINAMARCA-NORUEGA-FINLÂNDIA-ESTÓNIA-LETÓNIA-LITUÂNIA-BULGARIA - BÓSNIA HERZGOVINA- ROMÉNIA -GRÉCIA – CROÁCIA – LIENCHSTEIN – LUXEMBURGO – S.MARINO - VATICANO ÀSIA : -TURQUIA-CAPADÓCIA ÀFRICA: GUINÉ-BISSAU – CASAMANÇA – GÂMBIA – SENEGAL – MAURITÂNIA – SAHARA - MARROCOS

Outras viagens:RÚSSIA (Moscovo e S. Petesburgo) -AMÉRICA do NORTE:CANADÁ (Quebec-Ontário-Montreal-Otawa-Niagara falls) - EUA(Boston-Nova Iorque-Cap Kenedy-Orlando - Miami)AMÉRICA CENTRAL:CUBA (Havana - S. Tiago de Cuba - Trinidad - Cienfuegos - Varadero)- ÀSIA :CHINA (Macau-Hong Kong) - VIETNAM(Hanói-Danang-Ho Chi Min) -

sexta-feira, junho 15, 2012

Rumo a Berlim - Dias 1 a 8

Viajar, é sem sombra de dúvidas mais uma oportunidade de encontrar pessoas, sítios, odores, sabores, cores, paisagens. 
É nas viagens que aprendemos a olhar com uma nova perspetiva para Mundo e para o conhecimento. 
Reaprendemos a conviver, descobrir, apreciar,  somar, conquistar. 
As viagens levam-nos a compartilhar experiências culturais e pessoais e ensinam-nos a respeitar as diferenças.
No início das Festas da minha cidade,... parti...
DIA 1 - 15.JUN.12 - 6ª. Feira
BRAGA - CHAVES
Apetrechada a Autocaravana (só não levo malas), roupas no roupeiro, alguns géneros na ''dispensa'' outros no frigorífico... e muito entusiasmo... cá vamos a caminho..., desta feita conforme já referi, o Objetivo será: BERLIM.
O gato ''Tiko'' teve de ficar a exemplo de outras saídas...
Mas... numa das últimas caminhadas, "adotei" imaginem: Um GRILO!...
Não seria fácil deixar "o bicho"... mas... desde criança que em casa de Maio a Outubro havia um... e este... canta que se farta... será que vou aguentar no pequeno apartamento rolante o seu "grelar estridente"? A ver vamos... quem sabe o vou oferecer à Senhora Chanceler!!!
O casal que me tem vindo a acompanhar na sua AC (Emília e Artur), partilham a viagem comigo... 
Chuva até Montalegre e céu limpo à chegada.
Pernoita - junto ao Rio Tâmega - N 41º 44' 14.9 - W 007º 28' 05.6''
Sabemos entretanto que a Autarquia está em vias de criar AS próximo deste local, onde apenas será paga a água e eletricidade.
Entretanto constatamos que as pistas para caminhar e para bicicletas tem aumentado, o que torna a cidade mais interessante.
Percorridos:   130    Km

''Metro'' de Vitória

Dia 2 – A Caminho de Berlim
16.JUN.12 – Sábado
CHAVES – BENAVENTE (ESP) – PALENCIA – BURGOS – VITORIA
Saímos com sol que se verificou ser de pouca dura… logo após Verin, a chuva dominou. Muita chuva, pouca chuva… sem chuva… com sol… tarde quente… muitos castelos de algodão branco… e ao chegar a Vitória, céu negro.
Chuva e mais chuva
Esta passagem pelo norte do País vizinho, já se torna monótona tantas as vezes que cansativamente por aqui se vai passando.
algumas abertas...
verdes campos de cereais...
propriedades de Km's
Muitos cereais
Os "castelos de algodão"
Os verdes campos do País Basco
Na circular de Vitória, conseguimos numa estação de serviço abastecer diesel ao preço mais barato, ou seja, € 1,219 (ao sair de PT na BP o preço era de € 1,45).
Vitória, uma cidade moderna com muita história, que pelas inúmeras zonas verdes aprazíveis, considero uma das cidades mais interessantes para viver, mesmo sendo uma cidade de interior.
Aqui ficamos pois os ‘’Bascos’’ sabem bem receber.
Percorridos:  654 Km (Dia 524 Km)
Dia 3 – 17.JUN.12 - Domingo
VITÓRIA – IRÚN – ANGLET (Fr) – ARCACHON
Manhã quente. Mantivemos o regime horário de Portugal, pelo que, a saída às 11h da manhã significou que “arrancamos” ao Meio-Dia…
De Vitória até próximo de Irún, a auto-estrada gratuita deu para avançar um pouco mais no mapa, e chegando à costa atlântica francesa, logo em Anglet, as praias a abarrotar de gente sedenta de sol.
desta vez... é a AC do Artur que me precede
e as velocidades rondam os 90/110 km/h
FRANÇA, é claro que ruas e cidades floridas, começam logo após a fronteira... bonito...
Em todo o percurso, sendo Domingo, todas as superfícies comerciais encontravam-se encerradas… belo exemplo para Portugal onde os baixos salários abundam e entende-se que eliminando feriados… baixando ainda mais os salários e permitindo a que o comércio abra toda a semana (incluindo os Domingos) nos dizem ajudará a recuperar a economia…
os semáforos "clinhotavam" e os meus amigos quase levavam com a régua sobre a AC...
Muito embora a A10 Francesa se encontre em obras de alargamento, fizemos os cento e muitos km’s a 110 Km/h.. A cinco dezenas de Km’s de Bordéus, inflectimos à esquerda em direcção ao oceano estacionando na AS para AC de ARCACHON.
ora aqui está o protagonista do passeio velocipédico em Arcachon
Como no início da noite havia que visionar o Europeu, a primeira tarefa a executar? Pois claro, apontar a “parabólica” para o azimute respetivo. Seguiu-se a retirada da bicicleta do “poleiro”  para fazer o passeio na magnífica estância balnear.
O dia terminou com imenso calor que ajudou à vitória da equipe das quinas com a Holanda.
AS Gps: N 44º 39’ 05.2’’  /  W 001º 08’n 55.3’’
Percorridos: 1.006 Km (Dia 352Km)


Dia 4 – 18.JUN.12 -  2ª. FEIRA
ARCACHON – DUNES DE PYLA – BORDÉYS – PONS – PÉRIGNAC
A visita da Grande Duna de Pyla, também chamada de Pilat, (em língua francesa, Grande dune du Pilatou du Pyla; do gascão, Pilòt, "grande monte" ou "pilha") é uma enorme formação de areia natural costeira acumulada no litoral aquitano do golfo da Biscaia ou de Gasconha na entrada da baía de Arcachón. 
pois... há que subir...
confesso que nunca havia visto coisa igual... dunas marítimas, claro...
Tanto a geomorfologia como a posição da Grande Duna encontram-se em permanente evolução e deslocamento desde a sua génesis, estimada há vários milhares de anos. Contém um volume total aproximado de mais de 60 milhões de m³ de areia fina eólica que se estendem sobre 87 hectares de superfície, ocupando 2,7 km de costa linear e até 500 m de bosque do Parque Natural das Landas de Gasconha, para cujo interior penetra inexoravelmente a razão de 3 a 4 metros anuais, segundo as medições realizadas desde a década de 1960.
Emilia fotografa o Artur... "nice"
A Grande Duna tem uma singular amplitude da sua crista, a mais alta do continente europeu,  um fenômeno geologicamente muito recente: o colapso no século XVIII de um grande banco de areia oceânica situado em frente à sua costa. Este banco de areia proporcionou o material sedimentário depois transportado progressivamente pela natureza e acumulado, como resultado da atividade humana de florestação e de luta contra a invasão arenosa, para conformar a cimeira da duna que evoluiu desde os 35 m de altura medidos em meados do século XIX, até atingir entre 80 e 107 m segundo os estudos realizados desde a década de 1980.
A Grande Duna de Pilat e o seu meio, são considerados um ecossistema de valor excepcional, foram protegidos pelo Estado francês mediante diferentes medidas de preservação que a partir da primeira classificação de 1943, se estendeu ao bosque circundante sendo o conjunto declarado “Grand Site National” em 1978. Em 1994 delimitaram-se e classificaram os 6.288,26 hectares do lugar formalmente como "grande lugar natural de interesse paisagístico e científico", associado à rede Natura 2000 da União Europeia sendo o centro de atração turística mais destacado da  região aquitana e um dos mais importantes do país, acolhendo entre 1 e 1,5 milhões de visitantes anuais.
optei pela descida da escadaria
lá do alto...
magnífica visão marítima
não está visível, mas a Emília... fez um voo de cabeça... O Artur já lá em baixo... nem acredita...
Curiosidade: Para estacionar a 1ª meia-hora é grátis... como demoramos 33 min. o ''tombo'' foi de € 8,00!!!
Prosseguimos em direção a norte..,. passando à ilharga de Bordéus... com paragem em PONS para visitar os meus amigos de outras viagens (à Guiné-Bissau)...
cereais
vinhas

Jôjô, Mónique, Camille, Sérge... e o Je!!!
A veadinha nascida ontem!!!
ficamos no terreno de Mónique e Camille.
A "veadinha"... e o "burro"...

Seguimos logo a seguir para PERIGNAC onde vivem outros amigos, neste caso Camille que nos apresentou os seus atuais vizinhos de "capoeira"... o burro, as ovelhas... as tartarugas (6)... e... mãe e filhote (de um dia)... sendo que os veados tiveram de ser abatidos já que a legislação Francesa não permite a retenção de mais de um animal destes...
O Artur ficou rendido ao simpático burro
Percorridos: 1.215 Km (Dia 209 Km)
Dia 5 – 19.JUN.12 – 3ª. Feira
PÉRIGNAC – COGNAC – ANGOULÊME – GUÉRET – MONTLUÇON
As despedidas matinais aos nossos vizinhos
 As despedidas aos nossos amigos e a revisita da pequena cidade de COGNAC.
A passagem em Cognac
A paragem em Cognac e a compra obrigatória de ‘’Pineau’’ já que os "Cognac" são mais agressivos para a saúde e para a carteira. Uma garrafa de qualidade média custa acima dos € 45,00, mais de 10 anos… uns € 60,00 e 20 anos… para cima de € 100,00.
A chuva esteve presente todo o dia, intercalada por períodos de céu nublado.
Evitamos a passagem em Limoges e Clermont-Ferrand já que a Méteo nos demoveram na visita.
Olha o Je!!! AhAhAh
No final do dia a pernoita numa enorme zona arborizada com AS grátis mas com possibilidade de acesso a água (cara/ € 5,00 cada 150 lts) e electricidade a preço aceitável (€ 2,50/ 10 horas).
Em Montluçon, com o Euro à porta... quem será que habita no 13º andar? Nota-se? 
AS / AC : N 46º 21’ 18.2’’   - E 002º 35´12.7´´
Percorridos: 1.536 Km (Dia 321 Km)
Montluçon
Dia 6 – 20.JUN.12 – 4ª. Feira
MONTLUÇON – MOULINS – CHALON s-Saône – DOLE – BESANÇON
Noite calma e sem chuva.
O despertar foi ao som estridente da passarada que esvoaçava de árvore em árvore.
Saímos da cidade não muito interessante, que pensamos ser dormitório de Clermont-Ferrand.
Moulins
Paragem em MOULINS, para visita à sua bela Catedral (Notre-Dame) – gótico flamejante –com os seus vitrais dos Séc XV e XVI,  em pleno centro histórico. Incrível termos atravessado a praça central em obras e estacionado a 50 mts da Catedral em pequeno espaço gratuito durante 10 minutos…
Moulins



Retomada a viagem, sempre com tempo quente, a passagem em CHALON s-Saône onde na tentativa falhada de localizar um “Mac Donald’s”, os nossos pequenos rádios foram intercetados por emigrante que nos disse para evitarmos essa zona da cidade por se encontrar repleta de “buchons” derivados às obras de renovação da bonita cidade.








fachada
uma fachada bizarra
Lá seguimos para o complexo comercial, estacionando a escassos metros do “Mac” onde acedemos do interior da AC à net, almoçamos e caminhamos pelo centro da cidade.
Havia que prosseguir viagem em direcção a BESANÇON, onde chegamos ao final da tarde à central AS para AC junto ao Rio que atravessa a cidade que fica a dois passos da Suiça.
Após a instalação na área apropriada, a saída a pé ao centro histórico.





BESANÇON onde se situa o Museu do Tempo que haveremos de visitar numa próxima visita por possuir uma fascinante coleção de relógios de todas as épocas, tamanhos e feitios. Nesta cidade nasceu o novelista Victor Hugo e os irmãos Lumiére.
Visitamos a magnífica e discreta Catedral Saint-Jean do Séc XII.
AS para AC: N 47º 14’13.9’’ – E 006º 00’ 59.1’’
Percorridos: 1.885 Km (Dia 349 Km )
Dia 7 – 21.JUN.12 – 5ª. Feira
BESANÇON – ORNANS – BAUME LES DAMES – BELFORT – GUEBWILLER – WINTZENHEIM – KAYSERSBERG
Mais um dia quente. Antes de sair, uma simpática passante, sugeriu-nos a descida no mapa para conhecer uma pequena cidade de nome ORNANS.










Aconteceu-nos entretanto algo de nos ‘’encher a alma’’… num cruzamento dois agentes da polícia orientavam o trânsito. Mesmo se o semáforo estava no verde… manda-me parar… e diz num bom Francês para o colega… segura no trânsito que quero dar dois minutos de conversa a este meu conterrâneo…  pois… uma alegria no seu semblante (e no meu) por encontrar no serviço quem lhe alimente o ego… a nostalgia… e a despedida… et voilá…
Foi isso que fizemos dando por bem empregue o desvio de rota. Trata-se da pequena cidade onde nasceu o grande pintor realista Gustave Coubert que várias vezes pintou paisagens da sua região – Alsácia -.







Efetuada a visita retomamos o percurso algo sinuoso, ou não fora ele sempre à beira rio onde várias eclusas permitiam a navegabilidade do rio.
Deixamos para trás Belfort seguindo até GUEBWILLER onde visitamos a majestosa “Église Notre-Dame” localizada numa bonita praça, combinando o barroco com a elegância do neo-clássico, enquanto a “Église des Dominicains se orgulha dos seus frescos góticos e do belo anteparo do cruxifixo.
Volvidos poucos quilómetros, eis que surge WINTZENHEIM, e logo após, KAYSERSBERG que escolhemos para visita e local de pernoita já que seria hoje que se realizava o jogo do Euro 2012 entre Portugal e Rep. Checa.
A AS de serviço para AC é enorme e a pequena e bela cidade fica a escassos 100 metros.
Efetuada a visita, o jogo… que é claro… ganhamos graças a mais um golaço do CR7.
AS N 48º 08’ 08.3’’   /  E 007º 15’ 46.7’’
Percorridos: 2.010 Km ( Dia 225 Km)

Dia 8 – 22.JUN.12 – 6ª. Feira
KAYSERSBERG (F) – RIQUEWIHR – RIBEAUVILLE – COLMAR – NEUF_BRISACH (F) – FREIBURG IM BREISGAU (D)

Pela manhã o agente da polícia local, questionou onde havia colocado o etiqueta do pagamento… brincamos sobre o golo do CR7… e brindou-nos com a pernoita grátis (deveríamos ter pago € 7,00).

Decidimos visitar as pequenas cidades mais próximas e mais belas da Alsácia.

Percorremos vinhedos e mais vinhedos a serpentear as encostas.

Paramos para visita em RIQUEWIHR, seguindo-se RIBEAUVILLE.


 Imperdível a visita na Alsácia à cidade muralhada de RIQUEWIHR



DETALHE
RIQUEWIHR

Cerca do meio-dia, a chegada à “capital” dos vinhos de Alsácia: COLMAR.
Ainda entramos na muralhada cidade de NEUF_BRISACH, onde à chegada as buzinadelas que nos foram dirigidas por viatura com bandeira Portuguesa, e o nosso conterrâneo nos saudou e após contar a sua história de emigrante nos foi dizendo que ele e mais uma centena de outros que tais não deram sossego ontem à noite na cidade de Colmar para saudar a vitória Portuguesa.
RIQUEWIHR






RIQUEWIHR





em  RIQUEWIHR, as cegonhas brancas são sociáveis...   








O Je em COLMAR


















 Duas dúzias de kilómetros percorridos e eis que chegamos à magnífica AS para AC de Freiburg.
à chegada a Freiburg
Espaços demarcados, acesso a electricidade e internet (€ 1,00 cada/48 horas) a acrescentar ao “parking” de € 8,00.
No final de tarde e no decorrer do jogo da Alemanha com a Grécia, lançaram foguetes, abriram garrafas de champanhe… uma festa à Alemã!
Percorridos: 2.194 Km (Dia 184 Km)
Enviar um comentário