De Autocaravana, tenho vindo a viajar ''cá dentro'' e pela Europa... para lá do Círculo Polar Àrtico - até ao Cabo Norte, onde vivenciei o ''Sol da Meia-Noite''.
Viajei em Autocaravana pelo Norte de Àfrica... (mais de uma vez), muito para lá do Trópico de Cancer... até à Guiné-Bissau.
Fui também por estrada à Àsia - Turquia e Capadócia, sendo que no regresso fiz a Croácia e dei um saltinho a Mostar e Saraevo na Bósnia-Herzegovina.
Sem pretensiosismo literário ou outros, apenas pela PARTILHA, dessas e outras viagens vou dando conta neste espaço.

Países visitados em Autocaravana: - EUROPA: ESPANHA – ANDORRA -FRANÇA-ITÁLIA-MÓNACO- REINO UNIDO - IRLANDA -HUNGRIA-REP.CHECA-SUÉCIA-ESLOVÉNIA - ESLOVÁQUIA- POLÓNIA-AUSTRIA-SUIÇA-ALEMANHA-BÉLGICA-HOLANDA-DINAMARCA-NORUEGA-FINLÂNDIA-ESTÓNIA-LETÓNIA-LITUÂNIA-BULGARIA - BÓSNIA HERZGOVINA- ROMÉNIA -GRÉCIA – CROÁCIA – LIENCHSTEIN – LUXEMBURGO – S.MARINO - VATICANO ÀSIA : -TURQUIA-CAPADÓCIA ÀFRICA: GUINÉ-BISSAU – CASAMANÇA – GÂMBIA – SENEGAL – MAURITÂNIA – SAHARA - MARROCOS

Outras viagens:RÚSSIA (Moscovo e S. Petesburgo) -AMÉRICA do NORTE:CANADÁ (Quebec-Ontário-Montreal-Otawa-Niagara falls) - EUA(Boston-Nova Iorque-Cap Kenedy-Orlando - Miami)AMÉRICA CENTRAL:CUBA (Havana - S. Tiago de Cuba - Trinidad - Cienfuegos - Varadero)- ÀSIA :CHINA (Macau-Hong Kong) - VIETNAM(Hanói-Danang-Ho Chi Min) -

terça-feira, fevereiro 02, 2010

Garranos abatidos a tiro no Gerês!

Mais uma vez, cavalos Garranos, uma raça semi-selvagem e protegida, que habita a Serra do Gêres, foram abatidos por desconhecidos. 
Mais oito que foram abatidos, desde o fim do ano passado. Só na última semana, foram quatro, na região de Serzedelo, no concelho de Ponte de Lima.
Nos últimos tempos, num período de cerca de dezoito meses, são 25 os animais abatidos sem que os responsáveis sejam identificados. No entanto, suspeita-se que alguns proprietários rurais menos escrupulosos possam ser os responsáveis, já que nesta altura, e devido ao frio que faz na montanha, os cavalos acabam por descer até às zonas rurais e terrenos de cultivo para se alimentarem, destruindo algumas dessas culturas, o que pode provocar a ira de alguns proprietários, que vêem no abate dos animais uma forma de vingança pelas suas perdas.
Estima-se que ainda existam cerca de dois mil exemplares desta raça de cavalos a viver em regime de semi-liberdade, uns com a marcação dos donos, outros sem qualquer tipo de marcação ou controlo.
As autoridades policiais estão já a investigar mais este massacre  numa tentativa de identificar os responsáveis e levá-los assim a prestar contas junto da justiça.

A região do Gerês é extremamente rica em fauna, encontrando-se aí algumas raças em perigo, muitas delas inscritas na lista das espécies ameaçadas do Livro Vermelho de Portugal. Por esse motivo, são espécies protegidas por lei, como é o caso dos lobos-ibéricos, que encontram aqui um dos seus últimos refúgios, embora nem sempre a convivência com as populações tenha sido pacífica.
Nesta região fica também o local de origem de uma das raças caninas portuguesas, o Castro Laboreiro.
Nas caminhadas por nós efectuadas, é muito frequente cruzarmos pelos simpáticos ''garranos'', que saudamos vivamente já que embora semi-selvagens, convivem connosco à distância.
Aqui deixo a minha mágua por saber que a maldade humana também atinge esta espécie.
Enviar um comentário